As autoridades de saúde espanholas anunciaram, esta quarta-feira, que morreram nos últimos sete dias 39 pessoas com Covid-19, totalizando 27.118 mortos desde que o novo coronavírus entrou no país. Os números parecem não bater certo, uma vez que no dia anterior tinham sido anunciadas 35 mortes na última semana — o que ao fazer as contas implicaria somar quatro (e não um) ao número total desse dia, que foi 27.117. É a terceira vez esta semana que há oscilações de números, mas o Ministério da Saúde já veio explicar porquê: desde segunda-feira que que os números de mortes estão a ser revistos e até estarem certos o processo poderá demorar uma semana.

Segundo Fernando Simón, do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências em Saúde do Ministério da Saúde espanhol, foram revistos os dados relativamente a 50 mortes introduzidas nas estatísticas na última semana, refere o El Mundo, que acabaram reduzidas a 35. Isto porque, explicou, estão a ser eliminados das contas os mortos inicialmente contabilizados que não realizaram o teste da Covid-19. Por outro lado, estão a ser incluídas mortes já registadas que eram ainda desconhecidas e cujas fichas só agora foram analisadas.

O responsável diz que só assim é possível obter uma maior “solidez da informação e um maior apuramento dos dados”. Este processo poderá levar uma semana, disse em conferência de imprensa, no dia em que se assinala o primeiro dia de luto oficial pelas vítimas de Covid-19.

Assim, no total, as autoridades de saúde têm registados 236.769 casos positivos de coronavirus, 68.266 em Madrid (8.691 mortos) e 57.749 na Catalunha (5.583 mortos) desde que o vírus entrou em terras espanholas. Já quanto à evolução do contágio, as autoridades informaram esta quarta-feira que foram registados 231 novos casos nas últimas 24 horas, quando, no dia anterior, tinham sido 194 — o que significou um ligeiro aumento de novos positivos.

Número acima das mortes esperadas. Foram mais 52% em dois meses

Em dois meses de pandemia (de 1 de março a 12 de maio) em Espanha morreram 43.295 pessoas, mais 52% do que o habitual quando comparado com outros anos. Segundo o ABC, estas mortes podem estar relacionadas com a Covid-19, mas não foram registadas como tal porque as vítimas não foram testadas.

Destes 43 mil mortos, que incluem as mortes pelo novo coronavírus contabilizadas pelas autoridades, 15.993 não constam nos registos civis como vítimas da pandemia, mas grande parte, que morreu em lares ou em casa, poderão ter sido vítimas da mesma.

Os dados mais fiáveis, segundo este jornal espanhol, são os do Sistema de Monitorização da Mortalidade Diária, de onde saíram as 12 mil mortes, 7.300 das quais na zona da Catalunha e 2.500 na Comunidade de Madrid — as regiões mais afetadas pela pandemia. Se até maio se registavam nesta plataforma 145 mil mortos, os números dispararam nos dois meses em que o país enfrentou o vírus.

Entre março e abril registaram-se mais 1.255 mortes em Portugal do que o esperado, diz estudo