456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Explosões cósmicas revelam onde está a "matéria perdida" no universo

Este artigo tem mais de 2 anos

Metade da matéria criada no Big Bang estava desaparecida. Mas misteriosas explosões cósmicas revelaram que estava espalhado entre as galáxias. Acabou mais um "embaraço" espacial.

O momento em que uma explosão rápida de rádio sai da galáxia-mãe a caminho da Terra
i

O momento em que uma explosão rápida de rádio sai da galáxia-mãe a caminho da Terra

CSIRO/Alex Cherney

O momento em que uma explosão rápida de rádio sai da galáxia-mãe a caminho da Terra

CSIRO/Alex Cherney

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma equipa de investigadores australianos encontrou toda a matéria que os cientistas sabiam existir mas nunca tinham detetado no universo. Os cálculos feitos a partir do Big Bang sugeriam que deveria haver o dobro da matéria que se conhecia no universo. Após quase 30 anos de buscas, encontraram-na toda no espaço entre as estrelas e as galáxias.

A “matéria perdida” — como adjetivaram os autores do estudo publicado na revista científica Nature — foi encontrada a partir de explosões rápidas de rádio, uma pulsação de alta energia (tanta quanto toda a energia libertada pelo Sol em 80 anos) vinda dos confins do universo em meros milissegundos.

Apesar de não sabermos a origem dessas explosões, sabemos que são feitas por uma radiação que reage à matéria como os vários comprimentos de onda da luz visível ao passar por um prisma. Caso as explosões rápidas de rádio viajassem pelo puro vácuo, sem interação com matéria, as várias componentes chegariam todos ao mesmo tempo.

No entanto, quando a radiação passa pela matéria perdida entre as estrelas e as galáxias, os vários comprimentos de ondas passam a viajar a velocidades diferentes. O atraso em que uns chegam em relação aos outros permite aos astrónomos medir a quantidade de matéria por que aquela radiação passou.

ICRAR and CSIRO/Alex Cherney

Em comunicado de imprensa, Jean-Pierre Macquart, investigador principal deste projeto, explicou que o caso da “matéria perdida” era um “embaraço” científico: “Sabemos pelas medições do Big Bang quanta matéria havia no começo do universo. Mas quando olhamos para o universo atual, não conseguimos encontrar metade do que deveria estar lá”.

Encontrá-la não seria fácil com os métodos tradicionais, uma vez que a matéria desaparecida estava tão dispersa pela imensidão do espaço que seria “como encontrar um ou dois átomos numa sala com o tamanho médio de um escritório”. Por isso usaram as misteriosas explosões rápidas para “determinar a densidade do universo”.

Bastaram seis desses fenómenos para deslindar a incógnita. Todos foram captados pelo Australian SKA Pathfinder Telescope, um conjunto de radiotelescópios espalhados por quatro mil metros quadrados de área. “Possui um campo amplo de visão, cerca de 60 vezes o tamanho da Lua Cheia, e pode gerar imagens em alta resolução”, descreveu Ryan Shannon, co-autor do estudo.

CSIRO/Alex Cherney

“Isso significa que podemos capturar as explosões com relativa facilidade e, em seguida, identificar locais para suas galáxias hospedeiras com uma precisão incrível“, prosseguiu o investigador. Estas máquinas conseguem localizar explosões rápidas de rádio na largura de um cabelo humano a 200 metros de distância.

Todos os investigadores insistem que esta é a matéria “normal”, ou seja, as partículas que compõem as estrelas e os plantas, os humanos e as árvores — ou seja, a matéria de que o nosso mundo é feito. Mas 85% da matéria que compõem o universo, que é a matéria escura, continua por descobrir.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.