A associação ambientalista Zero manifestou esta quinta-feira a sua preocupação com o anúncio da espanhola RENFE de não retomar tão cedo o comboio hotel entre Lisboa e Madrid e apela aos governos dos dois países para que não deixem terminar o serviço.

Em comunicado, a Zero refere que a operadora ferroviária espanhola RENFE anunciou há dois dias que não irá “retomar proximamente (e muito provavelmente nunca mais) o comboio hotel entre Lisboa e Madrid, a única ligação ferroviária entre as duas capitais” e apela aos dois governos para que “cooperem por forma a não deixarem terminar o serviço e perspetivem uma ligação rápida e adequada num futuro próximo”.

“É fundamental manter a ferrovia como uma alternativa para Madrid, isto tendo em conta a procura e a necessidade de reduzir os slots ocupados por um dos principais destinos a partir do aeroporto de Lisboa e de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa associadas ao transporte aéreo”, afirma a Zero.

A associação ambientalista recorda que “em 2017, a ligação por via aérea Lisboa — Madrid era a 37.ª ligação com maior número de passageiros entre cidades europeias (1,4 milhões de passageiros transportados anualmente) e com um impacto de emissões de 110 mil toneladas de CO2 (dióxido de carbono) emitidas por ano”, sublinhando que a conexão Lisboa-Porto nesse mesmo período “teve 1,1 milhões de passageiros, 300 mil a menos que Lisboa-Madrid”.

A Zero “denuncia publicamente a inaceitável falta de articulação sobre a política ferroviária entre os dois países, em particular entre as duas capitais”, pois, “em concreto, o fim da ligação Madrid-Lisboa poderá construir o fim de uma alternativa menos poluidora para este trajeto e uma maior dependência do transporte aéreo”.

“O trajeto decisório dos dois países é surreal: Portugal abandonou a linha TGV para fazer uma linha mercadorias, enquanto Espanha continuou com o projeto do lado espanhol; Madrid passou a ser o primeiro destino que mais passageiros mobiliza a partir do Aeroporto Humberto Delgado [Lisboa]; agora parece que é Espanha a acabar com o que resta das ligações ferroviárias. Claramente os dois países não falam muito um com o outro sobre transporte ferroviário de passageiros”, critica a Zero.

A Zero afirma que recebeu esta notícia “com muita preocupação” e que espera que as autoridades portuguesas e espanholas cooperem de forma a não deixar terminar o serviço.

A transportadora ferroviária espanhola Renfe afastou esta quinta-feira a possibilidade de recomeço a “curto-prazo” da ligação entre Madrid e Lisboa do comboio hotel internacional Lusitânia interrompida em 17 de março devido à pandemia de Covid-19.

Fonte da Renfe disse à agência Lusa que a empresa “não prevê voltar a colocar em serviço a curto prazo os serviços de comboio hotel”.