A Sonae Sierra anunciou esta quinta-feira que recebeu uma declaração da auditora Lloyd’s Register a comprovar que os centros comerciais geridos por esta empresa — onde se inclui o centro comercial Colombo, Vasco da Gama, Algarve Shopping ou Norte Shopping — minimizam o risco de transmissão do novo coronavírus. Entre as medidas adotadas, encontra-se um sistema de desinfeção automático dos corrimãos das escadas rolantes, ou um sistema de renovação do ar interior a cada 10 minutos.

Em comunicado enviado às redações, a empresa afirma que a auditoria concluiu pela “conformidade da estrutura e planeamento do sistema de gestão integrado de ambiente, saúde e segurança da Sonae Sierra” aplicado a todos os centros comerciais geridos pela empresa. De acordo com Fernando Guedes de Oliveira, diretor executivo do grupo, a auditoria comprova “que os centros comerciais que gerimos implementam todas as medidas necessárias para impedir a propagação do novo coronavírus”.

A reabertura total dos centros comerciais do país, que apenas têm funcionado a meio gás com algumas lojas consideradas essenciais abertas, está prevista para a próxima segunda-feira, 1 de junho. Esta quinta-feira, contudo, durante a reunião que junta especialistas, epidemiologistas e o poder político na sede do Infarmed, em Lisboa, o primeiro-ministro admitiu que a reabertura dos centros comerciais na região de Lisboa e Vale do Tejo pode ser adiada, devido aos surtos de Covid-19 que têm causado maior preocupação nesta região.

Reabertura de centros comerciais em Lisboa em risco. Região é um problema e pode desconfinar mais lentamente

A decisão vai ser tomada esta sexta-feira, na reunião do Conselho de Ministros, sendo certo que, mesmo que a reabertura dos centros comerciais seja adiada na região de Lisboa, por serem espaços de grande ajuntamento de pessoas, tal não significa que os centros comerciais do resto do país não venham a reabrir portas no calendário previsto.

Segundo detalha a Sonae Sierra em comunicado, as medidas tomadas para garantir a segurança e higiene dos centros comerciais do grupo passam pela “instalação de dispensadores de gel desinfetante em todas as entradas dos centros e em locais de maior afluência ou passagem, como casas de banho e fraldários”, bem como pela “instalação, nas escadas rolantes dos centros, de um equipamento de desinfeção automática dos corrimãos, através de raios UV“, de forma a que os clientes possam usar o equipamento com maior segurança.

Além disto, houve também um reforço das equipas de limpeza “para garantir uma maior frequência de limpeza e desinfeção das superfícies com maior utilização”, assim como um reforço das rotinas de limpeza dos sistemas de ventilação e de todo o equipamento de ar condicionado e ventilação dos centros. Neste âmbito, a empresa dá ainda conta de que os sistemas de ar condicionado e ventilação estão programados de forma a renovarem o ar interior a cada 10 minutos.

Às medidas de reforço da higiene junta-se ainda a “permanência de um vigilante em cada acesso aos centros para garantir a aplicação da norma de obrigatoriedade de utilização de máscara por todos os que frequentam os centros comerciais” e para garantir que não é ultrapassada a lotação máxima do espaço. Além disto, todos os funcionários deverão estar equipados com equipamento de proteção individual e nos holofotes dos centros deverá ouvir-se repetidamente avisos para que os clientes cumpram as normas de distanciamento social exigidas.