Yaris, C-HR, Corolla e RAV4 são os pilares a suportar o bom desempenho da Toyota no mercado europeu, no período entre Janeiro e Abril deste ano. O pequeno Yaris, que em breve será remodelado com uma nova geração, liderou o mercado grego, para o C-HR liderar no Chipre.

Mais expressivo é o comportamento do RAV4, que permitiu à marca nipónica assumir-se como a que mais vende na Letónia e na Estónia, com o mítico Corolla a ser o líder das vendas em países como Finlândia, Irlanda e Polónia. Sempre sem poder recorrer a versões a gasóleo, zero motorizações 100% eléctricas e um valor irrisório de mecânicas híbridas plug-in.

A estrutura de suporte deste volume de vendas foi essencialmente os motores híbridos, solução tecnológica que permite à Toyota ser o fabricante em melhor situação para evitar as multas que Bruxelas irá impor a quem não consiga respeitar o limite máximo de 95g de CO2/km para toda a gama, já em 2020.

À semelhança do Corolla, também o VW Golf e o Skoda Octavia foram os preferidos pelos compradores em três mercados europeus, nos primeiros quatro meses do ano, sendo que o compacto da VW é quem mais vende na Alemanha, o maior mercado do Velho Continente.

Houve outros modelos que foram os mais vendidos em determinados países, com o Peugeot 208 a ser o primeiro em França e na Dinamarca, para o seu rival Renault Clio ser o preferido em Portugal e na Eslovénia. O Audi e-tron surpreende ao liderar o ranking das vendas na Noruega, que sempre foi um paraíso para os veículos a bateria.