458kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Cascais proíbe venda de bebidas alcoólicas nos postos de combustíveis depois das 20h

Este artigo tem mais de 2 anos

Depois de filas de jovens nas bombas de gasolina e alguns desacatos para compra e consumo de álcool, a Câmara de Cascais proibiu a venda de bebidas alcoólicas entre as 20h e as 8h.

Os jovens não cumpriram as regras de distanciamento ou a proibição de ajuntamentos de mais de 10 pessoas
i

Os jovens não cumpriram as regras de distanciamento ou a proibição de ajuntamentos de mais de 10 pessoas

Os jovens não cumpriram as regras de distanciamento ou a proibição de ajuntamentos de mais de 10 pessoas

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Câmara de Cascais proibiu na segunda-feira a venda de bebidas alcoólicas nas bombas de combustíveis do concelho, a partir das 20h, depois de vários jovens se terem deslocado aos postos de abastecimento sem respeitar as normas de saúde pública.

A medida consta de um despacho assinado por Carlos Carreiras, o presidente da Câmara de Cascais, partilhado no seu perfil do Facebook, e estará em vigor durante o período do estado de calamidade, entre as 20h e as 8h.

Esta proibição surge depois de terem sido divulgadas imagens de filas de jovens que pretendiam comprar bebidas alcoólicas junto a uma bomba de combustível no Estoril, que não cumpriam as regras de distanciamento ou a proibição de ajuntamentos de mais de 10 pessoas.

Segundo o despacho, por razões de saúde pública, muitos bares e discotecas do concelho permanecem fechados, o que leva a um aumento da procura de bebidas alcoólicas noutros locais. O despacho refere ainda que o consumo de álcool em excesso tem originado desacatos no concelho.

Os estabelecimentos que não cumprirem esta medida correm o risco de ser encerrados, refere ainda o documento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.