Caso haja uma nova vaga de Covid-19, a maioria dos portugueses (61%) concorda com o uso dos telemóveis para monitorizar os movimentos de infetados de forma a identificar contactos, avançou o Jornal de Notícias (versão e-paper). Em contrapartida, apenas 25% dos portugueses recusa esta opção, não querendo abdicar da sua liberdade.

Segundo o barómetro da Pitagórica, as pessoas que mais discordam do uso dos telemóveis para esta finalidade são maioritariamente do sul e entre os 18 e os 34 anos. Já na Região Centro e do Grande Porto existe uma maior recetividade em relação à vigilância eletrónica.

Questionados sobre a imposição de um novo confinamento, a grande maioria também se mostra disposta a fazê-lo. O apoio depende, no entanto, do alcance das medidas: em caso de uma nova vaga, 81% dos portugueses apoiam o confinamento aplicado apenas a uma região. Já se este período fosse aplicado apenas a grupos de risco, o apoio diminui para 69%.