A APIN – Empresa Intermunicipal de Ambiente do Pinhal Interior vai implementar uma recolha de lixo orgânico no concelho da Lousã, no distrito de Coimbra, foi hoje anunciado.

“Se os resíduos orgânicos que produzimos em casa como, por exemplo, os restos alimentares, forem recolhidos seletivamente, podem ser utilizados na agricultura e na produção de energia ou biogás”, explica o presidente da Câmara da Lousã, Luís Antunes.

Segundo o autarca, a recolha seletiva de biorresíduos é um projeto que tem como finalidade a “valorização orgânica de resíduos urbanos biodegradáveis”.

Com este projeto, pretendemos sensibilizar os munícipes para a separação de biorresíduos em casa, restaurantes e hotéis, com vista à preservação ambiental e diminuição da poluição”, sublinha Luís Antunes.

O presidente do município lousanense pretende, com este projeto, disponibilizar aos munícipes uma alternativa para gerir os resíduos orgânicos que produzem nas suas habitações e evitar a sua deposição em aterros, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente territorial.

A operação prevê a aquisição de eco boxes (contentores de proximidade) de 360 litros, de baldes domésticos de cinco litros, contentores de 140 litros para utilizadores não domésticos (estabelecimentos de restauração e bebidas e hotelaria, nos quais a recolha se realiza porta-a-porta) e de viaturas para recolha seletiva de biorresíduos.

Em Vila Nova de Poiares, também no distrito de Coimbra, a APIN vai implementar um projeto piloto de recolha de lixo ao domicílio na freguesia de Levegadas, designado de “Porta-a-porta”.

De acordo com a empresa intermunicipal, a operação pretende implementar um sistema de recolha seletiva “e incentivar e sensibilizar os munícipes a separar o lixo nas suas habitações”.

Nesta fase, o projeto vai ser desenvolvido numa área com 196 alojamentos, 67 empresas da zona industrial e 67 edifícios de comércio local.

Para a sua execução, está prevista a aquisição de três contentores para armazenamento de resíduos e de viaturas para a recolha seletiva de resíduos urbanos e capacitação dos munícipes para a adesão ao sistema de recolha porta-a-porta.

Criada em 2018 para gerir os serviços de abastecimento de água, de saneamento e resíduos sólidos, a APIN entrou em funcionamento em janeiro, agregando 11 concelhos dos distritos de Coimbra e Leiria, mas o de Penacova decidiu abandonar o projeto dois meses depois.

Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande (do distrito de Leiria), Góis, Lousã, Pampilhosa da Serra, Penela e Vila Nova de Poiares (do distrito de Coimbra) continuam a integrar a empresa, constituída por capitais públicos.