A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) reuniu-se com a Expedia Group, no início deste mês, para debater as condições de retoma para os hoteleiros portugueses pós Covid-19, aguardando explicações sobre o plano de recuperação avançado pela plataforma.

No encontro, a Expedia anunciou o lançamento de um programa de recuperação com 275 milhões de dólares (cerca de 243 milhões de euros), 250 milhões de dólares (221 milhões de euros) dos quais para apoiar os hoteleiros que trabalham com esta plataforma em linha de viagens (OTA), apontou, em comunicado, a AHP.

O apoio em causa será realizado através de programas de investimento de ‘marketing’, maior visibilidade nos ‘sites’ do grupo e alívio financeiro, por exemplo, decorrente do alargamento do prazo para o pagamento de comissões nas reservas futuras para 90 dias. Por outro lado, estão previstos 50 milhões de dólares (44 milhões de euros) para a promoção de destinos em articulação com os parceiros locais. Porém, continua em aberto o modelo de implementação deste apoio em Portugal.

De acordo com a AHP, os representantes da plataforma comprometeram-se a voltar a reunir-se com a associação para anunciar as condições criadas para Portugal e o modo de operacionalização da linha de crédito em ‘marketing’ na plataforma.

Citada no mesmo documento, a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, defendeu que “é inquestionável que as parcerias entre hotéis e OTA são fundamentais” e que o “sucesso de uns é o sucesso de todos”. Esta responsável considerou ainda ser importante que outras plataformas se preocupassem com “a retoma e com o equilíbrio entre as partes”.

Cristina Siza Vieira lembrou que o setor continua a atravessar um momento “muito delicado e difícil”, acrescentando que o inquérito da associação à hotelaria, apresentado na semana passada, revelou que 2020 “é um ano perdido para o setor, com quebras de receitas na ordem dos 75% e uma ocupação média que não deve ser superior a 30%”.

Em 25 de maio, a AHP já tinha reunido com a Booking, plataforma de reservas de hospedagem, aguardando uma resposta às propostas que apresentou.

Em causa está a criação de uma conta corrente com os hotéis/alojamentos parceiros relativamente às devoluções que a Booking tem que fazer aos clientes, abatendo esse crédito aos alojamentos nas reservas/estadias futuras e, quando tal não seja possível, o alargamento dos prazos para debitar as devoluções aos hoteleiros de 60-90 dias para 150-180 dias.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 403 mil mortos e infetou mais de sete milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP. Portugal contabiliza pelo menos 1.485 mortos associados à Covid-19 em 34.885 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).