A Polícia Judiciária (PJ) deteve mais três suspeitos da morte de Luís Giovani Rodrigues, o cabo-verdiano de 21 anos que morreu depois de ser agredido por 15 homens à porta de um bar, em Bragança.

Ódio racial ou rixa? O que se sabe e o que está por explicar na morte do estudante cabo-verdiano em Bragança

“A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Vila Real, após diligências de investigação que vem realizando desde o conhecimento da morte, no dia 31 de dezembro de 2019, do jovem estudante Luís Giovani Rodrigues, procedeu à detenção de mais três homens suspeitos de estarem envolvidos nos acontecimentos que determinaram a morte daquele”, lê-se num comunicado.

Os suspeitos, que têm entre 24 e 32 anos, “vão ser presentes às Autoridades Judiciárias competentes para interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação tidas por adequadas”.

Com estas últimas detenções sobe para oito o número de suspeitos detidos pela morte do jovem cabo-verdiano. No mesmo comunicado a PJ recorda que, a 16 de janeiro de 2020, deteve “cinco homens, com idades entre os 22 e os 35 anos”.

Estes suspeitos, depois de serem ouvidos em tribunal, ficaram em prisão preventiva. No entanto, de acordo com a Lusa, a medida de coação foi entretanto alterada para dois dos homens, passando a aguardar o desenrolar do processo em prisão domiciliária

Ficam em prisão preventiva os cinco suspeitos da morte de Giovani

O interrogatório judicial aos três novos suspeitos começou esta segunda-feira e prossegue na terça-feira a pedido dos arguidos. A informação foi prestada aos jornalistas pelo Tribunal de Bragança, onde deram entrada esta segunda-feira por volta das 15h os três detidos pela Polícia Judiciária (PJ).