O número de novos casos de infeção em Portugal não era tão elevado há 32 dias. O dia 8 de maio tinha sido a última vez em que o montante de novos testes positivos tinha ficado acima dos 400 (na verdade, foram 553). No boletim desta terça-feira, a DGS contabilizou mais 421 infetados (no dia anterior, tinham sido 192). Trata-se de uma subida de 1,2%. São, agora, 35.306 os casos confirmados em Portugal desde o início da pandemia.

O país registou ainda 7 novas mortes com Covid-19 (no dia anterior, tinham sido 6), um aumento de 0,5% (na segunda-feira, fora 0,4%). Portugal contabiliza já 1.492 óbitos.

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com mais novos casos e o peso no total de infeções diárias voltou a crescer: se na segunda-feira, 77,6% dos novos testes positivos eram desta região, a percentagem subiu para 91,7% esta terça-feira (na última quinta-feira, tinha sido de 93,3%). Há, assim, mais 386 infetados na região (no dia anterior, tinham sido 149), uma subida que o Governo justifica com a “testagem massiva”. Também aí foram oficializadas 5 das 7 mortes (as restantes duas foram na região Norte, que contabiliza, desde o início da pandemia, 809 óbitos).

Sintra voltou a ser o concelho lisboeta com maior subida de casos num dia (86). Seguiram-se: Lisboa (60), Loures (52), Amadora (42), Odivelas (35), Vila Franca de Xira (16) e Oeiras (13).

Apesar de os testes positivos aumentarem mais em Lisboa e Vale do Tejo, é na região Norte que se confirmaram mais casos desde o início da pandemia (um total de 16.967, que compara com 13.608 em Lisboa e Vale do Tejo, que já registou 408 mortes).

Número de novos doentes internados não era tão alto desde 7 de maio

É preciso recuar a 7 de maio para encontrar um número mais alto de pessoas internadas. Se nesse dia, foram mais 36, esta terça-feira são mais 28 (uma subida de 7,7%, depois de ter descido 8% na segunda-feira), para um total de 394. Em cuidados intensivos, estão agora 65 pessoas, mais 10 do que no dia anterior, o que representa um aumento de 18,2%. Há quase dois meses (desde 16 de abril) que o valor não era tão elevado.

Há ainda mais 183 recuperados (mais 0,9%), com o valor total, desde o início da pandemia, a situar-se agora nos 21.339. Esta terça-feira, registam-se 30.176 pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde, mais 1.385, a maior subida dos últimos 22 dias. Já a taxa de letalidade desceu de 4,26% para 4,23%.

Alentejo não tinha tantos casos há um mês. Sul sem casos pelo segundo dia consecutivo

Já no caso do Alentejo, há mais de um mês que a região não tinha tantos casos novos (5), para um total de 273 testes positivos desde o início da pandemia. Esta terça-feira foi também o segundo dia consecutivo sem casos na região Sul.

Já no Centro há mais 11 casos, em Lisboa e Vale do Tejo, como vimos, 386, e no Norte, 19. Os Açores e a Madeira não registaram qualquer caso novo.

Novos casos aumentam mais nos jovens

Seguindo a tendência dos últimos dias, a faixa etária entre os 2o e os 29 anos foi a que mais novas infeções registou — 84 (o dobro do dia anterior), o que representa quase 20% dos novos casos. Seguem-se a faixa etária entre os 30 e 39 anos (79 casos — quatro vezes mais do que no dia anterior, o que representa 18,7% das novas infeções) e entre os 40 e os 49 (69, o que equivale a 16,3%).

Além disso, cinco das sete mortes foram na faixa etária acima dos 80 anos, uma outra entre os 70 e 79 anos e a restante entre os 50 e os 59 anos. Há mais 240 casos de homens infetados e 181 de mulheres. Se na segunda-feira não tinha havido mortes entre mulheres, esta terça-feira foram 6.