O Feirense vai recorrer aos tribunais para fazer valer os seus direitos relativamente ao cancelamento da Segunda Liga, aprovado em Assembleia-Geral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), anunciou esta terça-feira o clube, em comunicado.

“Face às inúmeras ilegalidades verificadas em todo este processo, a Feirense SAD vê-se obrigada a recorrer aos meios legais ao seu alcance, para fazer valer os seus direitos, infelizmente, fora de campo. A Feirense SAD, os seus profissionais, os seus associados e adeptos sentem-se defraudados e desrespeitados e prometem defender os seus interesses até às últimas consequências”, indica o comunicado do clube.

Segundo o Feirense, a “AG da LPFP não podia ratificar os referidos atos da direção”, por estar pendente um recurso no Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), porque a “suspensão definitiva” de uma competição e a estabilização da sua classificação final é competência exclusiva da AG da LPFP e teria de ser efetuada através de alteração ao Regulamento das Competições e “porque a ratificação não sana o vício insanável de violação de lei das deliberações que ratificou”.

Em comunicado, o emblema de Santa Maria da Feira assinala ainda que o recurso sobre esta matéria, que apresentou em 29 de maio junto do CJ da FPF, só foi hoje aceite por este órgão, conferindo efeito suspensivo às decisões da direção da LPFP.

Em contrapartida, e ainda segundo o Feirense, o apelo do Cova da Piedade deu entrada em 22 de maio, aceitado dois dias depois e julgado no passado dia 3 de junho.

“Tomamos a devida nota”, conclui o clube.

Depois da suspensão em 12 de março, devido à pandemia de Covid-19, a Segunda Liga foi excluída do plano de confinamento do Governo, que permitiu apenas a conclusão do principal escalão e da Taça da Portugal, sem público nas bancadas.

A 5 de maio, a direção da LPFP aprovou a conclusão definitiva da Segunda Liga, promovendo Nacional e Farense à I Liga e despromovendo Cova da Piedade e Casa Pia ao Campeonato de Portugal, decisões que foram aprovadas na segunda-feira, em AG do organismo.

Depois de disputadas 24 das 34 jornadas previstas, o Nacional comandava a prova, com 50 pontos, o Farense era segundo, com 48, enquanto o Feirense, depois de seis vitórias consecutivas e 11 jogos sem perder, era terceiro, com 42.