Investigadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) conseguiram induzir em laboratório uma conversão sexual do parasita da malária, abrindo a possibilidade de conceber novos instrumentos para bloquear a transmissão da doença.

Este feito, publicado esta quarta-feira na revista “Science Advances”, foi realizado “in vitro” com um dos cinco parasitas da malária capazes de infetar os seres humanos, o “Plasmodium falciparum”, que é o mais letal.

Segundo Alfred Cortés, investigador do ISGlobal, este parasita tem um ciclo de vida complexo, em que a fase assexuada do sangue é responsável pela causa dos sintomas da doença, enquanto a fase sexual (ou gametocisto) é a única capaz de infetar o mosquito.

Por conseguinte, a transmissão de seres humanos para mosquitos requer a diferenciação de alguns parasitas assexuais em gametócitos, um processo conhecido por conversão sexual.

“Compreender como é regulada a conversão sexual dar-nos-á pistas valiosas para bloquear a transmissão de doenças”, disse Cortés, cuja equipa tem vindo a trabalhar neste processo há vários anos.

As experiências também revelaram alterações funcionais que ocorrem no momento da conversão sexual.

“Este sistema poderia ser utilizado para caracterizar os parasitas sexuais a um nível proteómico ou metabólico e para testar a sua suscetibilidade a diferentes drogas”, concluiu Cortés.