Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ativistas da organização não governamental Rio de Paz cavaram 100 sepulturas, com cruzes negras, na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, Brasil, na quinta-feira, como protesto contra a resposta do Presidente brasileiro à pandemia da Covid-19 e em memória dos mais de 40 mil mortos no país. Segundo a Reuters, houve, no entanto, quem estivesse contra o protesto e desenterrasse as cruzes colocadas pelos ativistas.

“O presidente não percebeu que esta é uma das crises mais dramáticas da história do Brasil. As famílias estão de luto por milhares de mortos, e há desemprego e fome”, disse o organizador António Carlos Costa à Reuters, criticando a falta de solidariedade de Jair Bolsonaro.

Segundo o organizador, nem todos concordaram com a manifestação: um homem começou a desenterrar as cruzes enquanto gritava contra o tributo. Outro homem, cujo filho de 25 anos morreu devido à Covid-19, voltou a enterrar as cruzes caídas.

“Eles [os que são contra as cruzes cravadas na praia] sentem tanta raiva – e acho que estão a reproduzir o comportamento da pessoa que está a ocupar a posição mais alta no país”, disse ainda António Carlos Costa, citado pela BBC.

Segundo os dados mais recentes, anunciados na quinta-feira, o Brasil registou até ao momento 802.828 infetados e 40.919 mortos. Brasil é o segundo país no mundo com o maior número de casos, sendo superado apenas pelos Estados Unidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR