O primeiro-ministro, António Costa, renovou esta sexta-feira a esperança de que os líderes europeus estejam “à altura dos desafios” que a União Europeia enfrenta com a resposta à crise económica e social gerada pela pandemia da Covid-19.

“Esperamos que todos os líderes europeus estejam à altura dos desafios que a Europa enfrenta para que adotemos em breve a proposta da Comissão para a recuperação económica e social europeia. Dela depende a adesão dos Europeus a este nosso projeto comum”, escreveu António Costa num tweet para assinalar o 35.º aniversário da assinatura do Tratado de Adesão de Portugal à CEE.

O líder do executivo português manifestou, por outro lado, o desejo de continuar a contribuir para a construção do projeto europeu.

“Renovamos o nosso compromisso com esta Comunidade de valores e de prosperidade partilhada, e reforçamos a nossa ambição de continuar a construir uma Europa mais forte, mais unida e mais coesa”, sublinha ainda o chefe do Governo português.

A mensagem de António Costa surge a uma semana da cimeira europeia que vai debater o plano da Comissão de resposta à crise gerada pela Covid-19, que passa pela criação de uma Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros, dos quais poderão vir a caber a Portugal aproximadamente 26 mil milhões.

A proposta a debater na próxima sexta-feira prevê que, do montante global do Fundo, a ser angariado pela própria Comissão nos mercados, 500 mil milhões sejam canalizados para os Estados-membros através de subsídios a fundo perdido, e os restantes 250 mil milhões na forma de empréstimos.

Portugal poderá vir a arrecadar um total de 26,3 mil milhões de euros, 15,5 mil milhões dos quais em subvenções e os restantes 10,8 milhões sob a forma de empréstimos (voluntários) em condições muito favoráveis.

O primeiro-ministro, António Costa, já saudou a “ambiciosa” proposta da Comissão Europeia, considerando que Portugal está perante “uma enorme oportunidade para se dotar de uma estratégia de valorização dos recursos naturais e para a reindustrialização do país”.