A Polícia Nacional angolana registou a morte de 37 efetivos, nos últimos três anos, de um total de 129 agentes vítimas de disparos de armas de fogo, em confrontos, dos quais 92 ficaram feridos, anunciou esta sábado fonte oficial.

Segundo o porta-voz do Ministério do Interior, nos últimos dias foi registada a morte de um efetivo, entre as várias agressões notificadas, durante intervenções policiais, na província de Luanda.

De acordo com Valdemar José, que falava no balanço da situação sobre a Covid-19 em Angola, a vítima, de 44 anos, um subchefe da Polícia Nacional, sofreu disparos feitos por indivíduos, foi socorrido num hospital, mas acabou por morrer.

Entre os vários casos, de agressões contra polícias, Valdemar José apontou uma registada, na quinta-feira, no Cazenga, quando as forças de defesa e segurança tentavam sensibilizar um grupo de cidadãos “que estavam a altas horas da noite a consumir bebidas alcoólicas”.

“Os mesmos reagiram contra as forças de defesa e segurança, tendo um cidadão projetado um objeto contundente, que atingiu a vista de um efetivo da Polícia Nacional, que corre o risco de ficar sem essa vista e está agora a receber tratamento hospitalar”, disse.

Também no bairro do Marçal, em Luanda, um polícia foi agredido por um cidadão, quando as forças de defesa e segurança “pediram que os cidadãos que se encontravam a consumir bebidas alcoólicas se recolhessem”.

A reação dos cidadãos foi muito hostil, tendo um dos cidadãos agredido fisicamente um subchefe da Polícia Nacional, ao ponto de fraturar o membro superior esquerdo, o cidadão está detido”, referiu.

Já no município de Viana, um polícia, que estava em reforço da 44.ª esquadra, foi solicitado para socorrer um cidadão que estava a ser assaltado, mas os agentes foram recebidos com disparos.

De acordo com Valdemar José, “um desses disparos atingiu a zona facial de um dos polícias, tendo entrado na área da bochecha e saído na zona do nariz” e o “polícia também está a receber tratamento hospitalar”.

“Ainda esta semana, junto à comarca de Luanda, em pleno patrulhamento, as forças de defesa e segurança depararam-se com uns cidadãos que estavam a efetuar o roubo de uma viatura”, contou Valdemar José, acrescentando que, quando se aperceberam da presença das autoridades, dispararam e atingiram “a perna de um efetivo” policial.

Na sexta-feira, uma patrulha da polícia ao deparar-se com um grupo de cidadãos, na posse de armas de fogo, a roubar uma viatura, também sofreram disparos dos meliantes, tendo um dos agentes sido atingido na zona das nádegas.

“Esse projétil, infelizmente, atravessou a zona da bexiga, tendo perfurado, estando esse polícia a receber tratamento hospitalar”, explicou.