A bolsa de Nova Iorque, representada pelo índice S&P 500, está a subir 2,3%, animada pela notícia de que as vendas a retalho nos EUA dispararam 17,7% em maio, um aumento recorde após três meses em queda. Os economistas já previam uma subida, mas de menos de metade do que a que se verificou.

É uma recuperação depois da quebra de 14,7% em abril, o mês anterior, segundo dados do Departamento do Comércio. Os 486 mil milhões de dólares de vendas em maio podem ser comparados com os 527 mil milhões de dólares de fevereiro, antes das medidas de confinamento e do impacto da crise, por exemplo, no emprego dos EUA.

A aceleração das vendas a retalho, que superaram largamente as expectativas dos economistas, alimentaram a confiança de que a economia norte-americana poderá ter uma “recuperação em V”.

Essa expectativa explica a subida da bolsa de valores esta terça-feira, que ganha 2,3% para 3.138,61 pontos – e já está mais de 40% acima dos níveis mínimos registados pela bolsa em março.

Bolsa sobe mais de 40% desde os mínimos de março.

“As vendas a retalho recuperaram de forma muito mais vigorosa do que o esperado, em maio, claramente reforçando as expectativas de uma recuperação em V”, escrevem os analistas do ING em nota de análise.

Ainda assim, “continua a haver questões sobre quanto mais irão durar os subsídios de desemprego, já que milhões de norte-americanos continuam sem trabalho”. Além disso, a continuação das medidas de distanciamento social “significa que estamos ainda muito longe da normalidade“.