Mais de 600 mil carros circulam nas ruas do país sem inspeção, depois de o Governo ter prolongado o prazo da vistoria dos automóveis por cinco meses como medida excecional e temporária face à pandemia da Covid-19, avançou esta terça-feira o Jornal de Notícias.

Durante o período em que os centros de inspeção estiveram parcialmente encerrados, e em que só os veículos prioritários e de emergência tinham de ser inspecionados, o setor estima que ficaram por fazer 640 mil inspeções das 673 mil que deveriam ter sido feitas, com base nos centros do país. O prolongamento do prazo mantém os veículos dentro da lei.

Os centros estiveram fechados entre 13 de março e 18 de maio e reabriram a 100% a 1 de junho. Face ao desconfinamento, muitas pessoas estão agora a realizar inspeções, o que provoca “alguma afluência aos centros, mas perfeitamente tranquila”, revelou a Associação Nacional de Centros de Inspeção Automóvel citada pelo JN.

Segundo o JN, a Prevenção Rodoviária Portuguesa diz que “as viaturas estão, na sua maioria, preparadas” para esta margem de cinco meses e, por isso, a prorrogação do prazo não compromete a segurança dos condutores.