Poucas vezes uma banda terá sido tão honesta, logo a começar pelo nome: os Mancines chamam-se assim por homenagem a Henry Mancini, compositor americano de bandas-sonoras mundialmente reconhecido por canções como o “Pink Panther Theme” (o tema daquilo a que nós chamamos Pantera Cor-de-Rosa) e “Moon River”, do filme “Breakfast at Tiffany’s”. E quando se escolhe um nome assim sabemos que vamos entrar num universo povoado de referências cinemáticas e que, de alguma forma, chegar-nos-ão ecos de Nino Rota ou Ennio Morricone ou Bruno Nicolai.

Há sempre um perigo nisto – o de cairmos no território do fetichismo, em que uma banda procura mais homenagear os seus heróis do que criar a sua identidade e acaba por exagerar as características dos mencionados heróis em vez de aprender, com as subtilezas de cada um, a encontrar a sua própria caligrafia.

Mas descansem: logo em Eden’s Inferno, o primeiro álbum dos Mancines, lançado em 2015, havia esse universo das bandas-sonoras – mas sem fetichismo. E agora, em II, o álbum mais recente dos Mancines (e, como o nome indica, o segundo da discografia), o lado das bandas-sonoras e do universo da música exótica (patente no arranjo de flautas da ótima “Spirit of the blues”) ainda está presente, embora II seja mais variado, mais luzidio e pop que o seu antecessor – II é um disco de quem se deitou confuso e ao acordar olhou-se ao espelho e encontrou o seu rosto.

[“Is This a Go?”:]

Estas marcas musicais já existiam antes de os próprios Mancines chegarem ao mundo e é impossível não mencionar o facto de Pedro Renato, o principal compositor e mentor dos Mancines ser o mesmo Pedro Renato que foi guitarrista nos Belle Chase Hotel, uma banda para a qual o universo das bandas-sonoras cinematográficas sempre pareceu ser uma importante parte do seu puzzle de decadência elegante e existencial.

Que saudades deixaram os Belle Chase, né? Ficámos todos órfãos de uma banda assim, que – vinda do nada – unia universos tão díspares como a música de cabaret, o Tom Waits das baladas, a bossa e bandas-sonoras luxuosas para criar canções extraordinárias, repletas de melancolia e sarcasmo, dor e euforia, numa imensa celebração dos disparates que cometemos na vida, das comissuras das cicatrizes. Até hoje não consigo ouvir “Emotion and Style” sem me arrepiar – e já lá vão muitos anos.

A tentação de comparar com os Belle Chase é ainda maior se tivermos em conta que Raquel Ralha, vocalista dos Mancines, também era uma das vozes dos Belle Chase. E há de facto pontos de contacto entre os projetos, a começar por ambas terem um núcleo duro de Coimbra, sendo que os Mancines incluem mais um ilustre da cidade, Toni Fortuna, ele que criou os d3o e os Tédio Boys e que é um herói do rock nacional, embora bastas vezes esquecido; essencialmente ambas as bandas partilham essa obsessão de repescar géneros em desuso e revitalizá-los, sem cair na mera nostalgia.

E há ocasionais canções que poderiam pertencer a ambas as bandas, como “Good seed”, o ótimo tema que fecha – com uma guitarra perfeita e o que parece ser um mellotron, este extraordinário II. O mais claro exemplo de semelhanças entre as duas bandas é “Spirit of the blues”, que começa com a sobreposição de um dedilhado de guitarras e de um arranjo de flautas, seguindo uma melodia dulcíssima, antes de explodir num espantoso refrão cheio de coros – dizer (e passo a citar-me) que “Spirit of the blues” é o mais claro exemplo de semelhanças entre as duas bandas é quase caricatural, tendo em conta que “Spirit of the blues” foi escrita ainda para os Belle Chase. Mas não sabemos – nunca saberemos – o que seria o “Spirit of the blues” dos Belle Chase; bandas diferentes fazem coisas diferentes com o mesmo material. Temos esta pelos Mancines – e é uma enorme canção.

[“The Spirit of the Blues”:]

Talvez as semelhanças acabem aqui; e não tenho forma mais simples de vos convencer das inúmeras diferenças entre as bandas que aconselhar-vos a ouvir este disco, II (ou, já agora e se não for pedir muito, ouvir ambos os discos dos Belle Chase e ambos os discos dos Mancines): “Rêves Lucides”, o 8º tema de II, nunca poderia pertencer aos Belle Chase – logo a sua entrada, com uma guitarra wah-wah gaiteira e flautas que não ficariam mal num dos álbuns iniciais de Gainsbourg, é tudo demasiado pop para os Belle Chase, que, apesar de tudo, tinham um lado mais negro e sarcástico. (Já agora: II é cantado em português, inglês e italiano e “Rêves Lucides” é um espanto de canção.)

É aqui que entra a sensibilidade de Pedro Renato que, desconfiamos, além de colecionador compulsivo de discos exóticos, tem (sempre teve) uma maior inclinação pop que JP Simões. Basta recordar o trabalho de produção que Renato levou a cabo para a estreia de Danae, um festival de pop quase exótica, cheio de canções como rebuçados, gomas e bolachas de pepitas de chocolate.

Os Belle Chase nunca fariam uma canção como “Into the sky”, que, por entre os pianos e os sintetizadores de época, emana uma delicadeza imensa e nenhum sarcasmo; os Belle Chase talvez nunca fizessem uma canção tão aberta como a lindíssima “Better man”; ou com a sensibilidade de “Higher and higher”, que no refrão sobe em coro antes de descer a uma bela melodia de teclas; os Belle Chase nunca fariam uma (tremenda, já agora) versão de “Fado”, dos Heróis do Mar.

Há aqui uma sinceridade, uma abertura de coração que era impossível – ou estava camufalada, melhor dizendo – nos Belle Chase. Mas numa coisa há semelhanças: tal como com os Belle Chase talvez devêssemos dar alvíssaras a cada novo disco dos Mancines. Porque é muito raro que uma banda – para mais com dois vocalistas, já que Toni Fortuna também canta – tenha uma identidade tão própria, uma tamanha capacidade de criar refrões, de criar arranjos imaculados, de saber quando uma canção deve subir ou descer e como a vestir. Os Mancines são raros – mas deviam aparecer mais vezes.

[“Better Man”:]

O que nos leva ao porquê? Porquê tanta demora entre discos? FossaNova saiu em 1998 e Eden’s Inferno, a estreia dos Mancines, só surgiu em 2015; e desde então passaram cinco longos anos. Temos mesmo de esperar tanto tempo por cada nova fornada de inspiração de Pedro Renato? Será isso justo para connosco, pobres criaturas com deficit de concentração, que que precisam de ser entretidas?

Talvez Renato precise de tempo – ao fim e ao cabo, a banda foi criada em 2010, na cidade de Coimbra, já com Pedro Renato, Raquel Ralha, Gonçalo Rui e Toni Fortuna, e só cinco anos depois lançou o primeiro disco. Possivelmente esse foi o tempo necessário para se afastarem do universo dos Belle Chase, embora se possa considerar excessivo que um membro de uma banda precise de 17 anos para esquecer o som da banda anterior.

De qualquer modo, uma boa parte das canções de Eden’s Inferno haviam sido escritas para um terceiro álbum dos Belle Chase, que nunca chegou a acontecer; mas o mesmo não se pode dizer das canções de II, cuja leveza e sensibilidade pop configuram uma identidade única e colocam os Mancines naquele rol de bandas portuguesas às quais temos de estar sempre atentos. (Ou atentos de cinco em cinco anos.)

Façam-nos um favor: arregacem as mangas e despachem o próximo.