Os empresários da animação noturna realizam esta quinta-feira uma manifestação em protesto contra a demora do Governo em legislar sobre a reabertura de espaços como bares e discotecas, encerrados desde março no âmbito da pandemia da Covid-19.

A manifestação “O silêncio da noite… à procura de respeito e respostas” foi marcada através das redes sociais pelo coletivo “O silêncio da noite”, que junta proprietários de bares, discotecas, agências e artistas.

O protesto prevê uma concentração às 14h junto às Docas de Lisboa, seguida de uma caminhada até à Assembleia da República, para uma manifestação agendada para as 15h. No grupo criado para o efeito nas redes sociais mais de 250 perfis tinham assinalado até ao fim da tarde de quarta-feira que iriam participar no protesto.

Depois de várias semanas de reivindicação, continuam a deixar-nos em silêncio. Continuamos a ter as cortinas fechadas e as despesas continuam a chegar. Chegou a hora de sermos ouvidos, de termos respostas, de termos apoios”, salientam os promotores, assegurando que “todas as normas de distanciamento social serão devidamente cumpridas”.

Tendo em vista a abertura do setor “com toda a segurança”, os empresários da animação noturna criaram, no início de junho, um grupo de trabalho com empresários de todo o país para apresentar soluções à Direção-Geral da Saúde e ao Governo.

Estas empresas, encerradas desde março, ficaram de fora do plano do Governo de desconfinamento progressivo, tendo o primeiro-ministro justificado esta medida com a impossibilidade de afastamento físico nas discotecas.

Em declarações à Lusa, Pedro Vieira, que integra o grupo de trabalho que reúne empresários de vários pontos do país, explicou então que, juntamente com a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares (AHRESP), estão a ser trabalhadas soluções e sugestões para apresentar à DGS e ao Governo, de forma a permitir a reabertura destes espaços.

Portugal regista mais um morto relacionado com a Covid-19 do que na terça-feira e mais 336 infetados, a maioria na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Os dados da DGS indicam um total de 1.523 mortes relacionadas com a Covid-19 e de 37.672 casos confirmados.

Em comparação com os dados de terça-feira, constatou-se um aumento de óbitos de 0,1%. Já os casos de infeção subiram 0,9%. Na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado o maior número de surtos, a pandemia de Covid-19 atingiu os 15.646 casos confirmados, mais 280 do que na terça-feira.