A Assembleia Geral das Nações Unidas elegeu esta quinta-feira o Quénia para ocupar o único lugar dos países africanos no Conselho de Segurança da ONU entre 2021-2022, tendo perdido a votação o Djibouti, o outro país candidato.

Na primeira ronda de votação, que se realizou na quarta-feira, nenhum dos dois países conseguiu ter o mínimo de dois terços dos votos para ser eleito para o Conselho de Segurança da ONU.

Na votação desta quinta-feira, o Quénia obteve 129 votos (contra 113 de quarta-feira) e Djibuti 62 (contra 78), tendo votado 191 dos 93 membros das Nações Unidas.

O Quénia vai substituir a África do Sul em janeiro no Conselho de Segurança da ONU.

Ao contrário de anos anteriores, os países africanos não conseguiram chegar a um acordo para apresentar apenas um país candidato.

O Quénia tinha o apoio da União Africana, mas o Djibuti considerava ser uma prioridade devido ao princípio de rotação no lugar, uma vez que Nairobi já tinha estado duas vezes no Conselho de Segurança.

Na quarta-feira, a Assembléia Geral da ONU elegeu a Índia, México, Noruega e Irlanda para os outros quatro lugares.

O Conselho de Segurança da ONU tem 15 membros, cinco dos quais permanentes e dez não-permanentes.