A dívida acumulada do Reino Unido atingiu 1,95 biliões de libras (cerca de 2,16 biliões de euros) em maio, 100,9% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, a percentagem mais elevada desde 1963, foi esta sexta-feira anunciado.

Segundo o instituto de estatística britânico (Office for National Statistics, ONS), o Reino Unido atingiu este nível depois do governo ter contraído um empréstimo de 55,2 mil milhões de libras (61,272 milhões de euros) em maio último, um valor nove vezes superior ao atingido em maio do ano passado e o mais elevado desde 1993.

Isto em resposta às fortes medidas tomadas pelo governo britânico para ajudar os trabalhadores após a imposição do encerramento no final de março para conter a propagação da pandemia de Covid-19 no país.

Face à paralisação económica, o governo adotou um plano para ajudar as empresas a pagar os salários dos trabalhadores até 80% dos salários, o que custou aos cofres do Estado cerca de 60 mil milhões de libras (66,6 mil milhões de euros).

O Ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, afirmou esta sexta-feira que estes números confirmam o duro impacto da Covid-19 nas finanças públicas e salientou a necessidade de reabrir a economia.

A melhor maneira de restaurar as nossas finanças públicas para níveis mais sustentáveis é reabrir com segurança a nossa economia para que as pessoas possam regressar ao trabalho”, acrescentou. “Estabelecemos o nosso plano para o fazer de forma gradual e segura, incluindo a reabertura de lojas no país esta semana”, acrescentou o ministro sobre a desconfinamento.

As lojas que vendem artigos não essenciais reabriram esta semana, mas têm de cumprir medidas de segurança, como uma distância física de dois metros entre as pessoas que entram nos estabelecimentos.

O ONS estima que a dívida para o ano fiscal de 2020-21 poderá atingir 298 mil milhões de libras (330,78 mil milhões de euros), o valor anual mais elevado desde a Segunda Guerra Mundial.

Perante a crise da pandemia, o Banco de Inglaterra decidiu na quinta-feira expandir o programa de flexibilização da compra de dívida pública e privada em 100 mil milhões de libras (110.873 milhões de euros) para 745 mil milhões de libras, mas manteve as taxas de juro em 0,1%.

O Comité de Política Monetária votou 8 contra 1 a favor de dar uma maior contribuição para o programa acima referido até atingir 745 mil milhões de libras (832,5 mil milhões de euros), embora tenha reconhecido que o impacto da pandemia na economia britânica pode ser “menos grave” do que inicialmente se receava.