O primeiro eléctrico da Ford da nova vaga, o Mustang Mach-E, só deverá chegar ao nosso país no último trimestre de 2020, mas continua a aumentar a sua lista de argumentos comerciais e tecnológicos. Depois da capacidade das baterias, da potência dos motores e da autonomia, desta vez a notícia é a capacidade que o modelo oferece, a quem vai ao volante, de poder circular sem as mãos na direcção.

Em auto-estrada, com as faixas bem marcadas, para que o sistema leia sem problemas os seus limites, o Mach-E permite que retire ambas as mãos do volante, enquanto, por exemplo, agarra um copo e procura outra estação no rádio. Mas nada de dormir ou reclinar excessivamente o assento, deixando de ver o que acontece à sua frente, pois uma câmara apontada à cara do condutor, capaz de detectar os olhos (mesmo com óculos escuros), garante que o condutor continua atento à estrada.

Mustang Mach-E prepara os últimos truques

De acordo com a Ford, o novo sistema Active Drive Assist é uma evolução do já conhecido Active Cruise Control, associado ao Lane Centering. Juntos permitem manter a velocidade programada e, simultaneamente, manter a distância de segurança ao carro da frente, travando ou acelerando consoante seja preciso, sempre no centro da faixa de rodagem.

O Active Drive Assist integra, opcionalmente, o pack  de segurança Co-Pilot360. A Ford enumerou todos os dispositivos que inclui, destinados a aumentar a segurança e o conforto de quem vai ao volante e, na mesma tabela, comparou-os com os incluídos no Tesla Model Y, que obviamente considera a referência nesta matéria. O curioso é que da  lista de tecnologias, há uma série delas a que o fabricante nunca antes se tinha referido, nem mesmo para informar que estava a desenvolvê-las. Isto aumenta o nosso interesse em ver o novo Mustang Mach-E em funcionamento, para que seja possível constatar a eficácia do sistema.