Um agente da polícia foi esta sexta-feira morto a tiro e um segundo ficou gravemente ferido em Auckland, na Nova Zelândia, informou a polícia, que procura o suspeito do tiroteio, em fuga.

A polícia realizava uma operação de rotina no trânsito, esta manhã, quando uma pessoa começou a disparar contra os agentes, disse a polícia. O suspeito dos disparos atropelou ainda um civil, que sofreu ferimentos ligeiros, indicou.

Os agentes não tinham armas, já que a polícia neozelandesa não anda normalmente armada, transportando-as no porta-bagagens dos veículos, afirmou o comissário da polícia Andrew Coster. “É uma situação chocante, é a pior notícia que a polícia e as famílias podiam receber”, disse Coster.

O segundo agente foi hospitalizado com ferimentos graves, enquanto o civil atingido pelo veículo também já se encontra num hospital.

Oito escolas da zona foram encerradas, acrescentou Coster, e a polícia instalou barreiras rodoviárias.

A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, considerou a notícia devastadora.

Perder um polícia é perder alguém que trabalha para todos nós, mas também um membro da família, um ente querido e um amigo de alguém”, disse Ardern.

No ano passado, a Nova Zelândia aprovou novas leis de controlo de armas, proibindo os tipos mais mortíferos de armas semiautomáticas, na sequência do ataque a duas mesquitas de Christchurch, em que um atirador matou 51 pessoas, durante as orações de sexta-feira.

Auckland é a maior cidade da Nova Zelândia, com cerca de 1,7 milhões de pessoas.