Os testes realizados a 340 funcionários da Câmara Municipal de Lagos para despistar a Covid-19 deram negativo, depois de um surto originado numa festa ilegal ter desencadeado uma ação de rastreio no concelho, foi esta sexta-feira anunciado.

Em comunicado, a autarquia explica ter desencadeado uma “operação massiva de testagem” na quarta-feira, abrangendo 340 trabalhadores do município, para “descartar alguma possível ocorrência” de contágio pelo novo coronavírus.

“Os resultados destes testes foram hoje conhecidos e divulgados, sendo que todos os trabalhadores testaram negativo”, lê-se na nota, que sublinha que os resultados permitem “tranquilizar a estrutura funcional e os munícipes”.

Segundo a Câmara de Lagos, no distrito de Faro, gradualmente também vão sendo conhecidos os resultados dos testes realizados por várias empresas locais aos seus trabalhadores e medidas de prevenção ou mitigação adotadas, permitindo “retomar a sua atividade”.

O foco de contágio teve origem numa festa de caráter ilegal ocorrida em 7 de junho, no salão de festas do clube desportivo de Odiáxere, alegadamente para festejar um aniversário.

Na festa participaram pessoas de diferentes concelhos e de várias nacionalidades, havendo infetados entre pessoas da mesma família, incluindo crianças, e também entre colegas de trabalho.

O surto já provocou a suspensão de visitas aos utentes em 24 equipamentos sociais do barlavento (oeste) algarvio, num total de 13 estruturas, entre lares de idosos, unidades de cuidados continuados, lares de jovens e de saúde mental, em oito concelhos.

Após ter sido conhecida a origem do surto, a Câmara de Lagos iniciou ações intensivas de colheitas aos trabalhadores municipais, já que existiam indícios de possíveis contactos com infetados.