A Câmara de Valongo, a Junta de Freguesia de Campo e Sobrado e a Associação Casa do Bugio formalizaram um pedido de inscrição da festa da Bugiada e Mouriscada de Sobrado no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial.

Em comunicado divulgado no sábado, as três entidades adiantam que o processo resulta de uma parceria estabelecida com o Centro de Estudo de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, que – sob a orientação da professora universitária Rita Ribeiro, doutorada em sociologia – tem vindo a realizar o estudo desta festa sanjoanina.

Segundo a câmara de Valongo, foi já submetido o pedido de registo no Matriz PCI (base de dados para suporte do Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial), mas “o processo será ainda sujeito a várias fases, entre as quais a da consulta pública”.

“A efetivação do registo desta singular festa sanjoanina da Bugiada e Mouriscada, da vila de Sobrado, concelho de Valongo, no Inventário Nacional, só ocorrerá no final de todo o processo que agora será gerido pela Direção-Geral do Património Cultural”, explica.

Celebrada no dia de São João, a 24 de junho, a Bugiada e Mouriscada do São João de Sobrado é apresentada pela autarquia como “uma das maiores e mais genuínas tradições do país” e “uma manifestação cultural ímpar em todo o mundo”: “Ao longo de todo o dia, centenas de sobradenses percorrem as ruas da freguesia representando uma lenda secular que gira em torno de uma imagem milagrosa de S. João”, explica.

“O Largo do Passal é o palco principal das encenações das lutas entre Bugios (Cristãos) e Mourisqueiros (Mouros), pela posse de uma imagem milagrosa de São João Baptista”, refere, avançando serem “cerca de mil os participantes trajados com vestes de veludo colorido que dão cor e vida à tradição ancestral, que todos os anos atrai dezenas de milhares de visitantes”.

A festividade está já classificada como Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal, integrando também a Rede da Máscara Ibérica, pretendendo a autarquia “uma maior valorização e promoção” do evento com a sua inscrição no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial e ainda na lista representativa do Património Imaterial da Humanidade da Unesco.

Apesar de a festa só durar um dia, o município de Valongo promove os Bugios e Mourisqueiros durante todo o ano, sobretudo junto das escolas, organizando e apoiando exposições e outras iniciativas relacionadas com a temática.

No âmbito da estratégia de promoção desta logomarca foi também inaugurado, em 2014, o Centro de Documentação da Bugiada e Mouriscada, localizado no antigo Centro Cultural de Sobrado, um espaço interpretativo da festa inserido no plano de salvaguarda desta tradição.

Segundo a autarquia de Valongo, o Centro de Documentação da Bugiada e Mouriscada “funciona também como um polo agregador de informação temática e difusor da singular manifestação, contribuindo para que os visitantes de Sobrado compreendam a festa e sejam cativados a regressar no dia de S. João ou em qualquer outro dia do ano”.