Tiago Rodrigues e Tiago Esteves são amigos de infância, um formou-se em economia, outro em gestão, e durante a quarentena provocada pelo novo coronavírus decidiram criar um negócio solidário. “Queremos ajudar a economia portuguesa através de algumas associações. Pensámos em criar uma marca que apoiasse tanto os artistas como a industria têxtil, duas áreas que foram bastante prejudicadas pela Covid-19”, explica Tiago Rodrigues ao Observador.

A dupla desafiou, assim, 11 artistas nacionais, entre ilustradores, pintores e grafiters, para desenvolverem um padrão único e exclusivo que depois foi estampado em meias. “As meias são um produto subvalorizado no nosso guarda-roupa e numa altura em que andamos mais descalços em casa achamos que faria sentido apostar nelas.”

Aka Corleone, Cesáh, Contra, Diogo Matos, Glam, Lara Luís, Margarida Fleming, Oker, Teresa Murta, The Caver e Uivo foram os escolhidos para o arranque do Projeto Volta, que conta com uma coleção de 12 pares de meias unissexo pensada para todos os públicos, do número 31 ao 46.

12 fotos

“Até setembro queremos lançar uma nova coleção de meias em colaboração com outros artistas”, adianta Tiago Rodrigues, acrescentando que o projeto não se quer ficar pelas meias e no futuro a aposta pode passar por outros produtos e acessórios, dentro do universo do vestuário.

Todas as meias têm como principal matéria prima o algodão, custam 12,50€ e 1€ do seu valor reverte para 12 associações de norte a sul do país, do Turismo de Portugal aos Bombeiros Voluntários, passando por instituições de vinhos, queijos ou calçado. “Escolhemos 12 setores dos mais afetados pela desaceleração económica derivada da pandemia ou que têm estado na linha da frente nos últimos meses”, sublinha o responsável .

O Projeto Volta vende online para todo o mundo e tem presença física na Crack Kids, em Lisboa, e no Circus Network, no Porto.