Em 2019, foram comunicados 14.398 crimes violentos e graves às polícias (mais 3% em relação a 2018), um resultado que já não acontecia desde 2010, numa média de 40 queixas por dia, com pelo menos uma vítima por cada uma, avançou o Correio da Manhã esta terça-feira. A criminalidade geral também registou um aumento, ainda que não tenha sido tão acentuado: foram registados mais de 335 mil crimes, mais 0,7% (+2.400) em relação a 2018.

Segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), que vai ser apresentado no Conselho Superior de Segurança Interna (CSSI) esta terça-feira, com três meses de atraso, os roubos “na via pública exceto por esticão” foram os crimes violentos mais denunciados. Com uma subida de 11,8% (+627), foram reportados quase seis mil casos. Já os roubos por esticão tiveram uma diminuição, passando de 3.204 para 3.018.

O relatório dá ainda conta de que os roubos representam 75,9% do total de crimes graves e violentos, um valor que descia desde 2009, segundo o CM. As ofensas à integridade física graves (661 casos, mais 14,2% face a 2018), raptos e sequestros (338, mais 23,8%) e violações (431, mais 2,4%) são alguns dos outros crimes.

O crime geral também registou uma subida, tendo sido a burla informática o crime com um maior aumento (+66,7%, num total de 16.310 queixas). É ainda destacado o aumento da delinquência juvenil, que inverteu o decréscimo dos anos anteriores (1.568 registos, +5,8%).