Donald Trump, que até aqui apoiava o auto-proclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, parece ter mudado de opinião e até está disposto a reunir com Nicolás Maduro. Segundo afirmou a uma entrevista ao jornal digital norte-americano Axios, o presidente norte-americano tem agora uma nova opinião sobre Guaidó, que chegou a receber nos Estados Unidos num périplo que ele fez por vários países à procura de reconhecimento.

“Poderia pensar nisso. Maduro gostaria de reunir-se e eu nunca me oponho às reuniões. Sempre defendi que se perde muito pouco com as reuniões. Mas, até agora, recusei-as”, disse Trump, segundo o excerto da entrevista divulgado. Resta saber como seria o encontro, uma vez que Nicólas Maduro é procurado pela justiça norte-americana.

Quanto a Guaidó, a opinião de Trump acompanha aquela que foi recentemente mostrada em sondagens: perdeu popularidade.

Popularidade de Juan Guaidó caiu de 63% para 19% desde que se autoproclamou presidente interino da Venezuela

Os Estados Unidos foram um dos 60 países que receberam Guaidó, mostrando o apoio político ao seu cargo numa altura em que a Venezuela atravessava uma grave crise política e económica. No entanto, um ano e meio depois, com dois parlamentos parcialmente reconhecidos, um de opoisção liderado por Juan Guaidó, e um pró-regime, liderado por Luís Parra, a crise agravou-se.

Em entrevista, Trump, que foi aconselhado a receber Guaidó pelo seu ex-assessor de segurança, John Bolton (que tem feito severas críticas contra o Chefe de Estado e a sua administração e que vai agora publicar um livro sobre isso), não se arrepende desse encontro. “Podia ter vivido com ou sem ele, mas eu estava mesmo contra o que está a acontecer na Venezuela “. E mais, que quando reconheceu Guaidó, ele tinha sido eleito. “Acho que não estava necessariamente a favor”, disse.

Livro de Bolton revela que Donald Trump pediu ajuda política à China para a reeleição

Uma posição que vai ao encontro do que o livro de Bolton revela: Trump pensava que “que Guaidó era débil, ao contrário de Maduro que é forte”. Mas que parece melindrar a investigação anunciada pelo Departamento de Justiça em março, que acusa Maduro de narcotráfico, assim como alguns dos seus familiares.

EUA oferecem 15 milhões pela detenção de Nicolás Maduro. É acusado de tráfico de droga e lavagem de dinheiro nos EUA

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse segunda-feira estar disposto a conversar com o homólogo dos EUA, Donald Trump, de forma respeitosa, tal como fez em 2015 com o ex-vice-presidente Joe Biden.

“A minha resposta é que, assim como me reuni com Joe Biden e tivemos uma conversa grande e de forma respeitosa, momento que ficou registado, também no momento necessário estou disponível para conversar respeitosamente com o presidente Donald Trump”, disse o Presidente venezuelano à agência de notícias estatal, Agência Venezuelana de Notícias (AVN).

Segundo noticia a agência Efe, numa curta declaração Maduro explicou que, “da mesma forma” que em 2015 falou com o democrata Joe Biden quando este era vice-presidente de Barack Obama – e agora é adversário do republicano Trump na corrida à Casa Branca -, também o fará com o atual Presidente norte-americano.

“Minha resposta é que, assim como me reuni com (Joe) Biden e conversamos longamente e de maneira respeitosa, o que foi registado naquele momento, também no momento que seja necessário estou disposto a conversar respeitosamente com o presidente Donald Trump. Da mesma maneira como falei com Biden, posso falar com Trump”, disse Maduro.