Em atualização

Pelo menos três pessoas morreram e seis ficaram feridas esta sexta-feira em Glasgow, na Escócia, na sequência de um ataque à faca, descrito pelas autoridades escocesas como um “sério incidente policial”.

Segundo o jornal britânico The Guardian, as autoridades do Reino Unido já fizeram uma primeira análise do caso e não o consideraram como um ato de terrorismo — o que significa que será investigado pela polícia da Escócia e não pela unidade de contra-terrorismo.

O ataque foi conduzido por um homem que terá também esfaqueado um dos primeiros agentes a chegar ao local, que se encontra hospitalizado na sequência dessa tentativa de neutralização do suspeito. O agressor foi abatido pela polícia.

Pelas 15h30, as autoridades confirmavam o óbito do atacante e atualizavam o balanço de feridos. Seis pessoas, incluindo o polícia envolvido, estão a receber tratamento hospitalar.

As primeira teorias apontavam para um eventual ataque terrorista mas não foram confirmadas, com o ministro da justiça escocês a pedir que se evite a “circulação de rumores” numa fase em que há mais dúvidas sobre as motivações do ataque do que certezas.

Tudo se terá passado no Park Inn Hotel, onde uma testemunha, citada pelo The Guardian, descreve como viu duas pessoas deitadas na receção deste edifício que em tempo de combate ao coronavírus está a ser usado como albergue para requerentes de asilo, apresentando ferimentos na zona abdominal, uma delas “lutando pela vida, mal conseguindo respirar”.

O incidente ocorreu pelas 13h00 na West George Street, no centro da cidade de Glasgow. Pelo menos 20 unidades da polícia estarão na rua, que se encontra encerrada, tendo sido pedido ao público que evite a área de momento.

No rescaldo do ataque, multiplicam-se as reações. A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgen, recorreu ao Twitter para dirigir o seu pensamento “a todos os que estão envolvidos” e pedindo que a população local permaneça nas respetivas casas de forma a facilitar o trabalho da polícia.

De igual forma, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson usou a sua conta oficial para comentar o episódio.

O presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, reagiu considerando as notícias sobre o ataque “verdadeiramente terríveis” e homenageou as vítimas e os familiares.