A polícia mexicana anunciou este sábado a detenção de cerca de 20 suspeitos de participação no ataque ao chefe da polícia da Cidade do México, que o deixou ferido e fez pelo menos três mortos, noticia a AFP. Um grupo de homens fortemente armados atacou e feriu na sexta-feira o chefe da polícia da Cidade do México, que circulava num carro blindado, num ataque que fez pelo menos três mortos.

A emboscada, descrita pela Associated Press como “cinematográfica”, envolveu um camião da construção e um veículo desportivo que barraram o caminho ao blindado de Omar Garcia Harfuch e abriram fogo com granadas e espingardas de calibre 50. O chefe da polícia, Omar Garcia Harfuch, 38 anos, ficou ferido com impactos de balas e estilhaços, enquanto dois dos seus membros do corpo de segurança morreram, assim como uma mulher que passava no local.

“Fomos atacados de forma covarde pelo CJNG”, disse Omar Garcia na sua conta de Twitter, usando o acrónimo em espanhol do grupo criminoso mais violento do México, Cartel Jalisco Nova Geração. “Dois colegas meus perderam a vida. Eu tenho três ferimentos de bala e vários pedaços de estilhaços. A nossa nação deve continuar a enfrentar o crime organizado, continuaremos a trabalhar nesse sentido”, escreveu ainda.

O ataque, que durou apenas um minuto, ocorreu no grande Paseo de la Reforma da Cidade do México, local onde se encontram as embaixadas estrangeiras e grandes casas cercadas por muros. Imagens de câmaras de segurança mostraram pelo menos sete homens em pé no camião a atirar sob uma labareda de luz enquanto mais homens armados disparavam do chão. Mais tarde, técnicos forenses começaram a marcar centenas de invólucros que cobriam a rua.

Embora as autoridades raramente gostem de nomear cartéis, especialmente na Cidade do México, o nome do gangue Jalisco tem sido apontado.

Entre os 20 detidos anunciados pela polícia está um homem que os serviços de segurança consideram um dos principais responsáveis do grupo. Segundo os serviços de segurança, pelo menos 28 pessoas participaram no ataque.

O secretário de Segurança Federal Alfonso Durazo, referindo-se ao tweet de Omar Garcia em que atribuía a autoria do ataque ao cartel de Jalisco, disse, em conferência de imprensa, que se trata de uma “hipótese que o Ministério Público da Cidade do México está investigando”. Alfonso Durazo disse que a agência de inteligência do México aparentemente tinha informações de que o cartel estava a planear um ataque, mas não deu mais detalhes, avançando que Omar Garcia levou um tiro “no ombro, na clavícula e no joelho”.

Já a procuradora-geral da Cidade do México, Ernestina Godoy Ramos, disse, também no Twitter, que 12 suspeitos foram presos e que o ataque estava a ser investigado.