A Polónia vota este domingo em eleições presidenciais em que o populista Andrzej Duda é candidato a uma difícil reeleição, com as sondagens a preverem uma segunda volta em que seria derrotado pelo centrista Rafal Trzaskowski.

Andrzej Duda, 48 anos, pertenceu ao partido nacionalista eurocético no poder, o Lei e Justiça (PiS), que o volta a apoiar nesta eleição pelo papel decisivo do Presidente para a sua agenda política. Na campanha para estas presidenciais, inicialmente previstas para 10 de maio e que foram adiadas devido a dúvidas constitucionais, Duda procurou mobilizar a base conservadora do PiS contra o programa do candidato centrista, que retrata como uma ameaça aos valores tradicionais polacos.

Segundo as últimas sondagens, Andrzej Duda é o candidato favorito, com cerca de 40% das intenções de voto, contra cerca de 30% para Rafal Trzaskowki, apoiado pelo principal partido da oposição, Plataforma Cívica (PO, centrista). Uma votação abaixo dos 50% mais um obriga à realização de uma segunda volta, prevista para 12 de julho e na qual os estudos de opinião apontam para uma vitória, embora por muito escassa margem, de Trzaskowki.

Duda e o PiS são especialmente populares junto da população mais conservadora, que vê neles políticos dispostos a defender a sua visão católica das questões sociais e a afirmar a soberania do país face à União Europeia (UE), à qual a Polónia aderiu em 2004.

Mas outra parte importante da sociedade polaca não se revê nestas posições, acusando o Governo de atentar contra o Estado de Direito, de facilitar a corrupção e de incitar à homofobia e xenofobia, preferindo as propostas liberais, cosmopolitas e pró-europeias do presidente da câmara de Varsóvia, Rafal Trzaskowki, também de 48 anos.

Muitos dos que o apoiam veem estas presidenciais como a última oportunidade para impedir danos irreversíveis à democracia no país, num contexto em que a governação do PiS tem estado em constante conflito com a União Europeia (UE), que condena as mudanças no sistema judicial como uma ameaça aos padrões democráticos.

Em terceiro lugar nas sondagens, com cerca de 11%, surge Szymon Holownia, 44 anos, apresentador do programa de televisão “Polonia Got Talent”, sem experiência política, crítico do sistema partidário vigente e que elegeu como temas a segurança, a inclusão social, o Estado de Direito e a luta contra as alterações climáticas.

Outros oito candidatos recolhem intenções de voto inferiores a 10%. As assembleias de voto para as presidenciais vão estar abertas entre as 07:00 e as 21:00 (06:00-20:00 em Lisboa). O mandato de Andrzej Duda termina a 06 de agosto.