O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu este sábado a prisão para os manifestantes envolvidos na tentativa de derrubar a estátua do ex-presidente do país Andrew Jackson de um parque em frente à Casa Branca.

Através de vários tweets, o chefe de Estado exigiu a prisão para os manifestantes no incidente ocorrido esta semana e partilhou os apelos da polícia com fotografias dos 15 manifestantes procurados por “vandalização de propriedades federais”. E escreveu: “MUITAS pessoas detidas, com muitas mais sendo procuradas por vandalização de propriedades federais em Lafayette Park. 10 anos de prisão!”.

O governante anunciou também este sábado que assinou uma ordem executiva para proteger monumentos, memoriais e estátuas. Igualmente através do Twitter, Trump revelou que abandonou os planos de passar o fim de semana na sua casa em Nova Jersey para se manter em Washington e “garantir que a lei e a ordem são cumpridas”. “Estes incendiários, anarquistas, e agitadores foram em grande parte impedidos“, escreveu Donald Trump, acrescentando:

Estou a fazer o que é necessário para manter as nossas comunidades seguras – e que aquelas pessoas sejam levadas à Justiça!”.

No contexto dos protestos raciais das últimas semanas nos Estados Unidos, desencadeados pelo assassínio do afro-americano George Floyd pela polícia, inúmeras estátuas foram atacadas. O principal objetivo dos contestatários têm sido os símbolos confederados — defensores da escravatura durante a Guerra da Secessão —, mas também foram atacadas estátuas de conquistadores espanhóis e dos “pais fundadores” dos Estados Unidos.

Na noite de segunda-feira, a polícia federal impediu que um grupo de pessoas derrubasse uma estátua de Andrew Jackson localizada a poucos metros da Casa Branca. Jackson é considerado o fundador do moderno Partido Democrata.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis, no Minnesota, depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar. Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem.