O Instituto Cultural (IC) de Macau disse à Lusa desconhecer os pormenores sobre um novo projeto que quer transformar Macau na sede internacional da “Hollywood do Oriente”.

“O Instituto Cultural não possui informações pormenorizadas sobre o programa em questão”, apontou, em resposta à agência Lusa.

Ainda assim, o IC frisou estar “muito entusiasmado com a existência de projetos culturais em diferentes áreas, favorecendo a formação de diferentes tipos de talentos culturais e o desenvolvimento do mercado, e desempenhando um determinado papel na promoção do desenvolvimento das indústrias culturais e criativas locais”.

O projeto foi anunciado na semana passada em Langfang, China, e é copatrocinado por mais de 100 artistas da indústria chinesa de entretenimento do cinema e da televisão, entre eles o ator Jackie Chan.

O objetivo é seguir o modelo norte-americano de Hollywood e indiano de Bollywood, desta feita para reforçar a competitividade internacional daquele que é “o segundo maior mercado de filmes do mundo”, a China, anunciou o líder do grupo que quer liderar o investimento, Wang Haige.

O projeto, “batizado” de Mollywood, será “incorporado a outro cluster da indústria cultural com o valor de centenas de mil milhões de dólares no futuro para o desenvolvimento diversificado de Macau”, pode ler-se numa nota publicada na Business Wire, uma empresa norte-americana que opera no negócio de distribuição de informação comercial.

O Presidente do Mollywood Group, Wang Haige, sublinhou que o facto de a empresa estar registada em Hengqin e fixar a sua sede internacional em Macau lhe permite beneficiar das “vantagens de recursos dos dois locais, tanto para o mercado doméstico quanto para o mercado internacional”.

Por outro lado, afirmou que o projeto abrange campos como produção e distribuição de filmes e televisão, indústria da música, inteligência artificial, marketing e publicidade de entretenimento, e-commerce, exposições criativas, entretenimento de moda e formação de talentos.