Já se sabia que vinha aí um filme biográfico sobre a cantora Aretha Franklin, que ficou conhecida como “a rainha da soul” e que morreu há dois anos, depois de uma longa carreira na música. Agora sabe-se também que o filme chegará às salas de cinema portuguesas em janeiro de 2021 — confirma a NOS Cineams, em comunicado — e foi revelado o primeiro trailer, que pode ver de seguida:

O filme terá como título “Respect”, referência a uma das canções mais famosas interpretadas por Aretha. No papel da “rainha da soul” estará a atriz e cantora Jennifer Hudson, que começou por ganhar notoriedade como cantora num concurso de talentos — o American Idol — e posteriormente começou uma carreira na música e nas artes performativas, tendo participado como atriz em filmes como Dreamgirls.

Hudson “foi escolhida pessoalmente por Aretha Franklin para a interpretar no filme, conforme anunciado na Cerimónia dos Grammys de 2018, antes da morte da cantora”, refere ainda o comunicado.

O filme terá como realizador Liesl Tommy, que trabalhou na série televisiva “The Walking Dead”, e é “a primeira longa-metragem autorizada baseada na vida de Aretha Franklin“, prometendo retratar “a notável história verídica da artista, uma criança que cantava no coro da igreja do pai, até ao estrelato internacional”, de acordo com o comunicado enviado ao Observador.

A rainha da soul, a voz gloriosa da América: morreu Aretha Franklin

Além de Jennifer Hudson, que interpretará Aretha Franklin, o elenco conta com Forest Whitaker no papel de C. L. Franklin (pai de Aretha), Mary J. Blige no papel da cantora e pianista Dinah Washington, Marc Maron no papel do produtor musical Jerry Wexler, Tate Donovan no papel do produtor musical e olheiro de talentos John Hammond e Lodric D. Collins como Smokey Robinson, entre outros.

A banda sonora do filme contará com canções emblemáticas como “I Say a Little Prayer”, “(You Make Me Feel Like a) Natural Woman” e “Respect”, esta gravada inicialmente por Otis Redding, que impressionado pela interpretação vocal de Aretha Franklin terá dito ao produtor Jerry Wexler, segundo este: “A rapariga tirou-me a canção. Já não é minha. A partir de agora, pertence-lhe”.

Em setembro do ano passado tinha chegado às salas de cinema nacionais o filme “Amazing Grace”, a gravação audiovisual de dois concertos dados por Aretha Franklin na igreja New Temple Missionary Baptist Church, em Watts, Los Angeles, em 1972, na companhia do grupo coral South California Community Choir. Os concertos serviram para a gravação de um disco ao vivo que se tornou num dos mais importantes da carreira da cantora, editado com o mesmo título no final desse ano.

“Amazing Grace”: o milagre de Aretha Franklin que faltava revelar