“Não queremos ser só o país da Web Summit.” As palavras são do secretário de Estado para a Transição Digital, André de Aragão Azevedo, que esta terça-feira afirmou que o objetivo de Portugal para a presidência do Conselho da União Europeia, em 2021, vai passar por “dar o destaque merecido ao ecossistema de startups [portuguesas]”.

As declarações foram feitas durante a apresentação do estudo da Startup Portugal, da EY e da SAP, sobre o ecossistema de empreendedorismo português, que mostra um “otimismo moderado” das startups em relação ao futuro, disse o político. Além disso, o estudo conclui que 3,8% das startups tiveram de encerrar, 4,6% estão “prestes a suspender a atividade temporariamente” e 19,8% estão com a “atividade temporariamente suspensa” devido à pandemia de Covid-19.

A maioria das startups afirma estar a “laborar normalmente”

No âmbito da presidência do Conselho da União, Aragão Azevedo disse ainda que quer “trazer para Portugal um dos eventos mais relevantes nesta área. Não queremos ser só o país da Web Summit. Queremos, ao longo do ano, ir pontuando com outro tipo de eventos que tragam foco e visibilidade àquilo que de bom se tem feito no ecossistema de empreendedorismo.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.