Desde que Bruno Fernandes chegou a Inglaterra que as notícias de elogios rasgados de antigos jogadores ao médio português se têm multiplicado. Começou com as comparações a Scholes, continuou com a elevada capacidade de liderança do internacional português e nas últimas semanas tem culminado na dupla de luxo que forma com Paul Pogba. Todos os comentários, ainda assim, têm algo em comum: o facto de terem sempre origem em ex-jogadores estrangeiros. Mas esta terça-feira, dia em que Bruno Fernandes voltava a entrar em campo, o elogio vinha de um português.

“Na minha opinião, o Bruno vai ser um dos melhores jogadores do Manchester United nos próximos anos. A forma como joga, como gere os ritmos do jogo… Do que conheço dos adeptos do clube, vão adorá-lo durante vários anos como adoraram lendas como Ronaldo, Beckham, Ferdinand, Cantona, Scholes. Acho que o Bruno vai chegar ao mesmo patamar dessas lendas”, afirmou Abel Xavier em entrevista ao Stats Perform News, puxando dos galões da experiência de ter jogado na Premier League durante cinco anos na Premier League, entre Everton e Liverpool.

Certo é que, e apesar do sucesso incontestado que tem tido em Inglaterra, Bruno Fernandes não tem escondido que continua muito ligado ao Sporting e aos colegas que deixou em Portugal. Depois de elogiar Jovane Cabral na sequência dos golos marcados pelo jovem jogador e de se despedir de forma emotiva de Mathieu quando o francês acabou a carreira, o antigo capitão leonino recordou esta semana o dia em que, há três anos, assinou pelos leões. “Há três anos começava um dos meus sonhos e objetivos. Ainda me lembro da dificuldade para dormir no dia anterior a assinar com um enorme clube como o Sporting. Agradecido a todos os que fizeram com que isto fosse possível, sem exceção”, escreveu Bruno Fernandes no Instagram, lembrando o dia em que trocou a Sampdoria pelo Sporting e a Serie A pela Primeira Liga.

Ora, esta terça-feira, Bruno Fernandes voltava a ser titular pelo Manchester United na visita ao Brighton — até porque Ole Gunnar Solskjaer face à equipa que venceu o Sheffield United na última jornada da Premier League. Pelo meio, os red devils venceram o Norwich, carimbaram a passagem às meias-finais da Taça de Inglaterra e confirmaram o bom momento que atravessam, com duas vitórias e um empate em três jogos desde que o futebol recomeçou em Inglaterra. Contra o Brighton, o Manchester United tinha a oportunidade de responder à vitória do Wolves no fim de semana e voltar a igualar a equipa de Nuno Espírito Santo no quinto lugar: um quinto lugar que, como já se sabe, vale a última vaga para a Liga dos Campeões da próxima temporada.

Contra um Brighton que nesta retoma já venceu o Arsenal e forçou o Leicester a um empate, o Manchester United não precisou de muitos minutos para mostrar rapidamente que não queria adiar demasiado o primeiro golo. O primeiro susto para a baliza de Mat Ryan apareceu por intermédio de Bruno Fernandes, que acertou no poste com um remate de fora de área (12′), num lance partilhado por Pogba que seria repetido com sucesso mais à frente. O golo inaugural apareceu pouco depois de estar cumprido o quarto de hora inicial e trouxe novamente ao de cima a qualidade de Mason Greenwood: depois de uma assistência de Wan-Bissaka a partir da direita, o jovem de 18 anos avançou para uma jogada individual, superou os adversários e rematou certeiro (16′), chegando aos seis golos na Premier League esta temporada. Um registo que é o melhor de um jogador de 18 anos ou menos desde que Wayne Rooney, há 16 anos, apontou nove ao serviço do Everton.

O Manchester United continuou a controlar sem grandes preocupações — até porque a pouca pressão que o Brighton exerceu nos minutos iniciais evaporou com a desvantagem — e aumentou os números no marcador de forma natural, com a versão certeira da jogada que já tinha ensaiado. Pogba serviu de bandeja Bruno Fernandes, que ligeiramente descaído para a direita atirou rasteiro à entrada da grande área (29′). Na ida para o intervalo, a equipa de Solskjaer descia ao balneário com uma tranquilidade que só chegou a Manchester quando também Bruno Fernandes aterrou na cidade inglesa.

Já na segunda parte, o United ofereceu a iniciativa ao Brighton e compactou algo mais as linhas, passando a apostar sobretudo nas transições rápidas. E foi precisamente através de uma jogada de contra-ataque que os red devils chegaram ao terceiro golo e blindaram por completo a partida: depois de uma recuperação de bola junto à própria grande área, Matic tirou um enorme passe à meia volta para o corredor esquerdo, onde Greenwood avançou em velocidade e cruzou de forma perfeita para o segundo poste e para Bruno Fernandes, que rematou de primeira para bisar pela primeira vez no Manchester United (50′). Numa jogada onde o passe do jovem inglês também fica na retina, o médio português chegou aos seis golos em todas as competições desde que chegou a Inglaterra e é o jogador da Premier League com mais participação em golos desde fevereiro, já que também tem quatro assistências.

Solskjaer tirou Bruno Fernandes e Pogba pouco depois da hora de jogo, para fazer descansar os dois médios que serão naturalmente titulares no encontro do fim de semana contra o Bournemouth, e o Brighton ainda ficou perto de reduzir a desvantagem em dois lances quase consecutivos. O Manchester United acabou por passar o último quarto de hora reduzido ao próprio meio-campo, até porque a qualidade e a intensidade caiu depois das substituições, mas sempre a apresentar uma serenidade acima da média e de quem tinha a vitória assegurada.

O Manchester United chegou à terceira vitória consecutiva e igualou o Wolves no quinto lugar, continuando totalmente dentro da corrida pela última vaga para a Liga dos Campeões. A ideia que fica de todos os jogos recentes da equipa de Solskjaer é sempre a mesma e sempre repetitiva: Bruno Fernandes é o elemento ‘mais’ do grupo mas colocou todo o conjunto a jogar mais, melhor e mais rápido, deixando o United como um candidato sério a ter em conta na Liga Europa que acaba em agosto. E quem sabe na Premier League da próxima temporada.