A Comissão Europeia anunciou esta terça-feira que vai destinar nove milhões de euros para a criação de “centros de investigação nacionais e multinacionais” (hubs) que apoiem os verificadores de notícias, fact-checkers, de âmbito digital.

“Estes centros especializar-se-ão nas crescentes vulnerabilidades dos meios digitais, que têm especial relevância dentro do território e no âmbito linguístico em que irão operar”, salientou o executivo comunitário, em comunicado.

Estes hubs de verificação de notícias irão analisar as campanhas de desinformação e o seu impacto na sociedade, assim como, promover a literacia mediática e monitorizar as políticas das plataformas online, refere a Comissão Europeia.

A iniciativa, colocada em marcha pelo Observatório Europeu de Meios Digitais, visa “coordenar” a luta contra a desinformação (fake news) entre os Estados-membros, criando uma “comunidade multidisciplinar composta por investigadores, verificadores e profissionais da comunicação”.

Entre os objetivos destes centros multidisciplinares destaca-se a “deteção e análise” das campanhas de desinformação, o estudo do seu impacto social, a promoção da “alfabetização digital” e o controlo das políticas nacionais neste campo.

A Comissão Europeia refere, no comunicado, a necessidade de “interconectar” o trabalho dos centros de verificação que estão a ser lançados a nível comunitário com “o objetivo de partilhar as melhores práticas e conteúdos relevantes”.

A vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta dos Valores e Transparência, Vera Jourová, considerou que a criação destes centros “melhorará” a capacidade para “entender a propagação” da desinformação no âmbito digital.

Os interessados em candidatarem-se a esta convocatória podem apresentar as suas propostas até 5 de novembro.