Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Há algumas semanas, em entrevista ao The Guardian, Ricardo Pereira garantia que terá de “trabalhar muito” para ter um lugar na Seleção Nacional. Isto porque o lateral direito contava, a dada altura, que muita gente em Inglaterra fica surpreendida pelo facto de o jogador do Leicester não ser a opção inicial de Fernando Santos na seleção portuguesa — até que o defesa os recorda da quantidade de nomes de qualidade que Portugal tem para a mesma posição. O jornal inglês, na composição do artigo, enumerava dois, João Cancelo do Manchester City e Nélson Semedo do Barcelona. Mas esquecia-se de um terceiro.

“Tenho de trabalhar muito para ter lugar na Seleção”. Ricardo Pereira sobre a lesão, a época do Leicester e o racismo

Cédric Soares, há cinco temporadas na Premier League, foi o nome que faltou ao The Guardian. O lateral direito, que foi o titular da equipa que em 2016 se sagrou campeã da Europa em Paris, transferiu-se em janeiro do Southampton para o Arsenal mas ainda não se tinha estreado pelos gunners. Depois de ser uma das surpresas do mercado de inverno, o internacional português foi atraiçoado por uma lesão de joelho e ficou de fora até à interrupção das competições e já em junho, recuperado e numa altura em que se anteviam os primeiros minutos pelos londrinos, Cédric voltou a magoar-se num treino e viu novamente adiada a estreia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Até esta quarta-feira. No primeiro jogo que o Arsenal fazia em casa desde a retoma, a equipa de Mikel Arteta recebia o Norwich, último classificado da Premier League, e procurava carimbar a terceira vitória consecutiva depois de dois desaires seguidos nos dois encontros iniciais do reinício da competição. Aubameyang, que se tornou o jogador mais rápido a marcar 50 golos na liga inglesa pelo Arsenal, abriu o marcador pouco depois da meia-hora (33′), viu Granit Xhaka aumentar a vantagem pouco depois (37′) e bisou já na segunda parte (67′).

Com o resultado bastante tranquilo para o lado dos gunners, Arteta trocou o espanhol Bellerín por Cédric a cerca de 15 minutos do apito final. No dia de estreia, e logo no Emirates, o lateral português só precisou de quatro minutos para se estrear também a marcar pela nova equipa: com um bom remate de pé esquerdo, de fora de área e com a sorte de ter desviado num adversário, Cédric bateu Tim Krul e fechou as contas da goleada do Arsenal frente ao Norwich (81′).

Estreia de sonho para Cédric Soares, que durante a semana já tinha sido elogiado pelo treinador. “Ele tem uma qualidade diferente dos defesas laterais que temos. É um jogador tecnicamente dotado e, provavelmente, o melhor que temos no último terço para tomar a decisão certa e atacar a área também”, garantiu Arteta. O português respondeu da melhor maneira, estreou-se com a camisola do Arsenal e só precisou de quatro minutos para mostrar que a influência que tem nesse último terço também pode dar golos.