A associação solidária Apoio à Vida aumentou o apoio social e psicológico às mulheres grávidas desde 13 de março, na sequência da subida de pedidos de ajuda por causa da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

Em comunicado, a associação adianta que nos últimos três meses registou um aumento significativo sobretudo dos pedidos de apoio psicológico, tendo sido realizadas desde 13 de março 169 sessões por três psicólogas clínicas.

O pedido de apoio ao Departamento de Inserção Profissional duplicou, devido ao aumento do desemprego, e, por fim, neste período a associação apoiou ainda o nascimento de 31 bebés”, é referido.

A associação solidária justifica o aumento com o contexto de crise provocado pela pandemia de Covid-19, com muitas mulheres a ficarem desempregadas ou em situações de layoff nos últimos três meses. Esta situação levou, segundo a Apoio à Vida, a dificuldades sociais, económicas ou psicológicas para cuidar dos seus filhos.

Como forma de disponibilizar uma ajuda maior durante o período de pandemia e porque foram suspensas todas as atividades de grupo, às mães que beneficiam de apoio social, a equipa da Apoio à Vida assegurou as entregas de bens ao domicílio, seguindo os procedimentos de segurança necessários”, é destacado.

A associação diz também ter adaptado os serviços que já disponibilizava, como por exemplo o acompanhamento aos Grupos de Mães, que promove a partilha, o convívio e a interação entre mulheres em situações similares, que passou a ser feito via Whatsapp, sempre com o acompanhamento de uma psicóloga e uma assistente social da equipa.

“Numa altura em que as mães mais precisam de ajuda, não poderíamos ficar de braços cruzados. Apesar de o mundo ter parado durante alguns meses, a associação Apoio à Vida duplicou os seus esforços, precisamente para fazer face ao aumento do número de mulheres em situação de risco. Para isso, tivemos que nos adaptar para dar apoio a mais mães, que tanto precisam”, explica Manuel Faria-Blanc, diretor da associação, citado no comunicado.

A Apoio à Vida é uma instituição de solidariedade social que tem como objetivo ajudar, acolher e formar adolescentes e mulheres grávidas ou puérperas cuja situação socioeconómica, familiar ou psicológica as impede de assegurarem, sozinhas, o nascimento e educação dos seus filhos.

Em 20 anos, a associação diz ter ajudado mais de 4.300 mulheres no nascimento dos filhos e no fortalecimento das famílias, através de serviços totalmente gratuitos, como Centros de Atendimento de apoio social e psicológico ao domicílio ou virtual, programa de formação que ajuda mães a tornarem-se autónomas, aprendendo a trabalhar na área de serviços domésticos e apoio à família (cuidado de crianças e de pessoas dependentes), e uma Casa de Acolhimento Temporário para grávidas.

A Apoio à Vida tem ainda a única linha telefónica de apoio a mulheres grávidas do país que funciona 24 horas por dia, todos os dias do ano, de forma gratuita e confidencial.

Com os donativos e outras ajudas recebidas, a associação já apoiou mais de 4.300 mulheres, acompanhando, todos os anos, cerca de 380 famílias.