Cerca de 370 pessoas foram detidas em protestos em Hong Kong ao longo desta quarta-feira, dia em que entrou em vigor naquela região autónoma chinesa a nova e controversa lei de segurança nacional imposta por Pequim e que pode condenar à prisão perpétua cidadãos que cometam crimes relacionados com terrorismo ou atos de secessão e subversão — mas que são definidos de forma tão vaga na nova lei que esta pode ser usada para deter manifestantes pacíficos ou até qualquer cidadão que fale em público sobre assuntos relacionados com a luta independentista da cidade ou tenha na sua posse bandeiras e cartazes pró-independência.

Entre as detenções, seis homens e quatro mulheres foram presos especificamente por crimes relacionados com a nova lei.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.