Depois de na terça-feira ter sido divulgada a lista dos 15 países extra-comunitários com os quais a UE vai reabrir as fronteiras externas, os países foram aconselhados a segui-la. Este conselho, no entanto, está longe de ser aplicado na totalidade, com vários países a anunciar as suas próprias regras: Itália, Hungria, Suíça e a República Checa estabeleceram mais restrições do que os restantes países.

Critérios da UE para abrir fronteiras externas deixariam Portugal de fora se não fizesse parte dos 27

Itália abriu na terça-feira fronteiras aos viajantes de países que não integram o espaço europeu de livre circulação Schengen. A obrigatoriedade de quarentena, no entanto, foi mantida pelo país para todos, incluindo os provenientes de países considerados seguros, justificando as restrições com a necessidade de prevenção de novos contágios.

“Esperamos poder chegar mais longe dentro de algumas semanas, mas por agora temos de ter cautela”, disse o ministro da Saúde de Itália esta quinta-feira, frisando que em Itália e na Europa “a curva mudou consideravelmente, mais isso não aconteceu no resto do mundo”.

Covid-19. Itália admite segunda vaga e defende restrições a viagens

A Hungria também olhou com desconfiança para a lista divulgada, proibindo a entrada de todos os cidadãos provenientes de países fora da UE, à exceção da Sérvia. “Temos de resistir à pressão de permitir a entrada de pessoas no país sem controlos”, afirmou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, numa entrevista radiofónica.

Na Suíça, que não faz parte da União Europeia, mas está no espaço Schengen, o Governo decidiu manter a proibição de entrada de países extra-comunitários até pelo menos 20 de julho. A partir dessa data, o país deverá aceitar a recomendação do Conselho Europeu e abrir fronteiras aos 15 países que constam na lista, excluindo a Sérvia.

“Em 20 de julho, o Departamento Federal de Justiça e Polícia FDJP pretende remover Argélia, Austrália, Canadá, Geórgia, Japão, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Coreia do Sul, Tailândia, Tunísia e Uruguai e os estados da UE fora do espaço Schengen (Bulgária , Irlanda, Croácia, Roménia e Chipre) da lista de países de alto risco”, segundo um comunicado de imprensa do Conselho Federal.

Já a República Checa aprovou a entrada de oito dos 15 países da lista: Austrália, Canadá, Japão, Montenegro, Nova Zelândia, Sérvia, Coreia do Sul e Tailândia.

Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros, Tomáš Petříček, no caso de Montenegro e da Sérvia, a possibilidade de viagens mútuas será recíproca, ou seja, sem testes ou outras condições.

Espanha também decidiu não abrir as fronteiras para a totalidade dos países considerados seguros. Num comunicado divulgado esta sexta-feira, o ministério do Interior espanhol anunciou que não vai reabrir as fronteiras a viajantes da Argélia, Marrocos e China até que esses países permitam a entrada de espanhóis.

No caso da China, Marrocos e Argélia, a reabertura de fronteiras continuará condicionada à ação recíproca por parte desses países e à reabertura das suas fronteiras aos residentes de Espanha”, afirma o ministério.

Relativamente à China, o ministério afirma estar a levar em conta a recomendação de reciprocidade da União Europeia.

A lista aprovada pelo Conselho Europeu na terça-feira deixa de fora quase todo o mundo, contendo apenas 15 países: Argélia, Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Montenegro, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Tailândia, Tunísia e Uruguai. A estes poderá juntar-se a China, desde que haja confirmação do critério da reciprocidade (assim que Pequim confirmar que também deixará entrar viajantes com origem na União Europeia).

De acordo com a recomendação, a lista será revista de duas em duas semanas, podendo sempre entrar ou sair países, tendo em conta três critérios fundamentais: o número de novos casos de Covid-19 registados nos últimos 14 dias por 100 mil habitantes, a tendência (crescente, estável ou decrescente) do número de casos dos últimos 14 dias e a “resposta global à Covid-19“ desse país.