A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) saudou esta sexta-feira que Estado e acionistas privados tenham chegado a um acordo para a TAP e apelou para que todos os intervenientes no processo invistam na recuperação da companhia aérea portuguesa.

A CTP “considera positivo” que o Estado e os acionistas privados tenham “chegado a um acordo para a TAP”, refere a confederação em comunicado, apelando para que todos os intervenientes neste processo “invistam na recuperação da companhia aérea neste contexto particularmente adverso para o setor da aviação”.

O presidente da CTP, Francisco Calheiros, referindo-se ao acordo entre, afirmou: “Todos conhecemos as dificuldades em que se encontra a TAP, mas também o quanto é determinante para a economia e para o turismo nacional”.

Para Francisco Calheiros, citado no comunicado, a recuperação da companhia depende “da sua capacidade de financiamento e de uma equipa sólida de gestão que assegure a sua sustentabilidade”.

Pois, prosseguiu, “sabemos que serão muitos e complexos os desafios que existem pela frente”, mas a CTP “estará ao seu lado neste esforço, porque o turismo precisa de uma TAP forte e competitiva”.

Governo anunciou na quinta-feira que chegou a acordo com os acionistas privados da TAP, ficando com 72,5% do capital da companhia aérea, por 55 milhões de euros, com a aquisição da participação (de 22,5%) até agora detida por David Neeleman. O empresário Humberto Pedrosa detém 22,5% e os trabalhadores os restantes 5%.

O Governo esclareceu que a Atlantic Gateway passa a ser controlada por apenas um dos acionistas que compunha o consórcio, designadamente o português Humberto Pedrosa, dono do grupo Barraqueiro.

O dono da companhia aérea Azul, David Neeleman, sai assim da estrutura acionista da TAP.

A Comissão Europeia aprovou em 10 de junho um “auxílio de emergência português” à companhia aérea TAP, um apoio estatal de até 1.200 milhões de euros para responder às “necessidades imediatas de liquidez” com condições predeterminadas para o seu reembolso.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, referiu na quinta-feira que o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, vai ser substituído “de imediato”, sem revelar quem lhe sucede.

Pedro Nuno Santos disse também que o Governo vai contratar uma empresa para procurar no mercado internacional uma equipa de gestão qualificada para a TAP.