O Tribunal de Apelo do Egito confirmou este sábado a pena de prisão de 15 anos a que fora sentenciado um dos protagonistas da revolução de 2011, indicou fonte judicial local à agência noticiosa France Presse (AFP).

Após ter sido condenado a prisão perpétua em 2015, Ahmed Douma foi novamente julgado em janeiro de 2019, altura em que foi sentenciado a 15 anos de prisão e a uma indemnização de seis milhões de libras egípcias (cerca de 330 mil euros).

Segundo a fonte judicial, o tribunal precisou que a pena a que sentenciou Ahmed Douma é “definitiva” e que “não pode ser objeto de novo apelo”.

Detido desde 2013, Ahmed Douma, 34 anos, foi condenado por “reunião, posse de armas brancas e de [cocktail] Molotov e de agressão a membros das Força Armadas e da Polícia”.

Ahmed Douma é um dos mais conhecidos militantes da revolução egípcia de 2011, que levou à queda do regime de Hosni Mubarak durante a chamada Primavera Árabe.

Após a destituição, pelo exército, do Presidente islamita Mohamed Morsi, em 2013, o regime do atual chefe de Estado egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, tem sido acusado de exercer uma forte repressão, sobretudo contra os militantes laicos e pró-democracia, como Ahmed Douma.