A retoma não podia estar a correr melhor ao Real Madrid. Seis jogos, seis vitórias, 12 golos marcados, dois sofridos. Mais do que isso, as boas notícias que chegam da Catalunha, onde o Barcelona já empatou três vezes, deixam a equipa de Zidane na pole position para a reconquista da liga espanhola. À entrada para a jornada deste fim de semana, eram quatro os pontos que separavam merengues e catalães: um número que deixava o Real Madrid muito otimista.

No final da semana, já depois de o Barcelona ter empatado com o Atl. Madrid e o Real Madrid ter vencido o Getafe, as redes sociais merengues decidiram brincar com a diferença pontual para o principal — para se arrependerem logo de seguida. “Quantos pontos temos de vantagem para o segundo classificado, Sergio Ramos?”, perguntava o Twitter do clube, aproveitando uma imagem em que o capitão de equipa aparece a apontar para o número que carrega sempre nas costas, o 4. A publicação esteve disponível apenas durante uns segundos, para ser desde logo eliminada, e aproveitava o bom momento individual de Ramos, que leva quatro golos nesta retoma e é já o defesa mais goleador da história da liga espanhola.

Sergio Ramos, o defesa mais goleador de sempre em Espanha que empurrou o Real Madrid para a liderança

Este domingo, o Real Madrid visitava o Athl. Bilbao, uma equipa que ainda luta pela qualificação europeia e que seria, em teoria, um dos desafios mais complicados da equipa de Zidane desde que a competição recomeçou. Zidane fazia cinco alterações face ao onze que venceu o Getafe: saíam o lesionado Varane, Mendy, Kroos, Isco e Vinícius, entravam Éder Militão, Marcelo, Valverde, Rodrygo e Asensio. Hazard, que se terá ressentido da grave lesão no tornozelo que sofreu no início do ano e já tinha falhado a receção ao Getafe, voltava a ficar de fora das opções.

O Real Madrid começou melhor, com um lance de perigo construído por Asensio logo nos instantes iniciais, mas foi o Athl. Bilbao quem acabou por estar sempre mais perto de inaugurar o marcador. Orfã de Aritz Aduriz, que terminou a carreira durante a interrupção competitiva depois de sofrer uma lesão, a equipa de Gaizka Garitano explorava principalmente o corredor direito do ataque, onde Marcelo avançava e deixava muitas vezes uma auto-estrada nas costas e Valverde nem sempre conseguia realizar a dobra.

Raúl García obrigou Courtois a uma defesa por instinto com um cabeceamento ao segundo poste (16′) e Iñaki Williams rematou por cima na diagonal da baliza do Real Madrid (23′), enquanto que Benzema permanecia algo sozinho e isolado na frente de ataque. Apesar de uma boa exibição de Éder Militão, o Athl. Bilbao mostrava ter muita facilidade em potenciar a velocidade com a bola pelo chão, com Raúl García a recuar muitas vezes para se juntar ao setor intermédio e avançar a partir daí, ou para oferecer soluções numa zona mais central ou para solicitar Williams.

Pelo meio, o Real Madrid também teve duas oportunidades importantes, ambas de cabeça: primeiro foi Rodrygo, que atirou por cima na sequência de um cruzamento de Asensio (22′), e depois Benzema, que cabeceou ao lado também após um passe do jogador espanhol (45+1′). Asensio ia sendo o elemento ‘mais’ dos merengues e o principal inconformado da equipa, a aparecer tanto na direita como na esquerda para procurar a profundidade e a resposta de colegas dentro da grande área. No final da primeira parte, o Athl. Bilbao parecia estar ligeiramente por cima — e o Real Madrid estava a viver o primeiro verdadeiro teste de fogo desde o início da retoma.

Numa segunda parte disputada a um ritmo menos elevado, o Athl. Bilbao foi o primeiro a mexer na equipa. Zidane adiou a primeira substituição e acabou por só a fazer já em vantagem na partida, depois de o Real Madrid beneficiar de mais uma grande penalidade, a terceira desde que a liga espanhola recomeçou. Marcelo estava a entrar na grande área, numa fase em que os merengues até estavam por cima do jogo, e o árbitro considerou que o lateral brasileiro foi atingido por Dani García. Na conversão, como não podia deixar de ser, Sergio Ramos abriu o marcador, fez o quinto golo em sete jogos e assumiu novamente a responsabilidade pela vitória do Real Madrid.

Até ao fim, Zidane ainda lançou Vinícius, Lucas Vázquez e Jovic mas o resultado não voltou a alterar-se. Tal como aconteceu no início da semana contra o Getafe, o Real Madrid ganhou novamente pela margem mínima, com um penálti de Sergio Ramos e depois de resistir a várias investidas adversárias. Certo é que, e apesar disso, os merengues chegaram à sétima vitória seguida e aumentaram provisoriamente a vantagem em relação ao Barcelona para sete pontos, ficando agora à espera de ver o que fazem os catalães mais tarde, no terreno do Villarreal.