Um homem de Paços de Ferreira, atualmente com 90 anos de idade, assegurou esta segunda-feira em tribunal que matou a mulher, quatro anos mais velha, a pedido desta e para evitar o seu sofrimento, disse fonte ligada ao processo.

O homem, que foi colocado em prisão preventiva após o crime, matou a mulher a 3 de outubro de 2019, atingindo-a na cabeça com dois tiros de uma pistola de calibre 6.35, que detinha ilegalmente.

Esta segunda-feira, no início do seu julgamento, perante um coletivo de juízes do tribunal de Penafiel, no distrito do Porto, o nonagenário confessou o homicídio, mas argumentou que agiu a pedido da vítima. Matou-a com dois tiros para acabar com o seu sofrimento, relatou.

Por sofrer de surdez profunda, o homem foi sempre interrogado por escrito, respondendo verbalmente. O idoso está acusado pela prática dos crimes de homicídio qualificado, violência doméstica e detenção de arma proibida, tendo como vítima a sua mulher que, se sobrevivesse, teria hoje 94 anos de idade, segundo informação da Procuradoria-Geral Regional do Porto.

“Durante uma discussão no interior de habitação de ambos, em Raimonda, Paços de Ferreira, o arguido muniu-se de uma pistola de alarme, transformada em arma de fogo apta a disparar munições, e efetuou dois disparos na direção da ofendida, atingindo-a na cabeça e causando-lhe a morte”, descreveu a Procuradoria, citando o despacho de acusação.

Nesse despacho refere-se ainda haver indícios de que, entre o ano de 2009 e o mês de abril de 2019, “em várias ocasiões, o arguido dirigiu à ofendida, sua mulher, expressões que a atingiram na sua honra e a humilharam, desferiu-lhe socos e pontapés em várias partes do corpo”.

Em tribunal, o arguido rejeitou, afiançando que nunca a agrediu nem insultou.