A Agência de Energia Atómica do Irão reconheceu esta segunda-feira que a instalação nuclear de Natanz sofreu “perdas financeiras significativas” na sequência de um acidente recente cujas causas não foram reveladas.

O porta-voz do organismo iraniano, Behuruz Kamalvandi, adiantou que o acidente não causou vítimas, mas “muitos equipamentos de medição e outros instrumentos de precisão” ficaram destruídos.

Em declarações à agência oficial de notícias IRNA, Kamalvandi, acrescentou que a destruição do equipamento “pode atrasar, a médio prazo, o desenvolvimento das centrifugadoras de ponta” que o Irão começou a instalar em Natanz.

A instalação das centrifugadoras em Natanz constitui uma violação do acordo internacional sobre a energia nuclear do Irão, em 2015, que por sua vez foi rejeitado unilateralmente pela administração norte-americana.

O acidente, que afetou as coberturas de uma construção que decorre nas “zonas abertas” da central, ocorreu na passada quinta-feira, mas não foi divulgado na altura “por motivos de segurança”. Não provocou vítimas, não prejudicou o funcionamento das atividades em curso na central de enriquecimento de urânio nem contaminação radioativa, segundo o porta-voz iraniano.

O complexo nuclear Shahid Ahmadi Roshan de Natanz tem mais de 100 mil metros quadrados e está, sobretudo, construído a oito metros debaixo da terra.

Natanz fica situada no centro do país e a central está a ser alvo da monitorização da Agência Internacional de Energia Atómica, no âmbito do acordo de 2015, assinado entre o Irão e seis potências internacionais e que prevê a limitação do programa atómico iraniano em troca do levantamento de sanções.

Em retaliação contra a retirada dos Estados Unidos do tratado, o Irão deixou de cumprir uma parte dos compromissos e iniciou a construção de centrifugadoras IR-6 em Natanz, ultrapassando os limites de enriquecimento de urânio que estavam estabelecidos pelo mesmo acordo.

Apesar do incidente de quinta-feira – que pode atrasar alguns dos projetos iranianos em Natanz -, Kamalvandi adiantou que o local sinistrado vai ser reconstruído e que vai ficar “dotado de mais capacidades”.

Sobre as causas do incidente, o porta-voz limitou-se a dizer que o Conselho de Supremo de Segurança Nacional do Irão “tomou conhecimento”.  “Por causa de algumas questões de segurança, a causa do incidente vai ser anunciada no momento adequado”, disse ainda Kamalvandi.

Algumas informações não confirmadas apontam que o incidente terá sido provocado por um ataque cibernético ou por operações de sabotagem levadas a cabo pelos Estados Unidos e Israel.