Numa altura em que está no sétimo lugar, a seis pontos da última vaga de acesso para a Liga dos Campeões e depois de uma época altamente irregular que incluiu uma troca de treinador, o Arsenal já prepara a próxima temporada. Uma temporada que terá, ao que tudo indica, Mikel Arteta no banco de suplentes e onde as principais decisões estão relacionadas com quem fica, quem sai e quem entra no plantel. E sobre este tópico, nos últimos dias, têm surgido várias possibilidades.

Logo à partida, Dani Ceballos. O médio perdeu espaço no onze ao longo da época, depois de ter sido um dos grandes destaques quando Unai Emery ainda estava no Emirates, mas é um dos elementos que Arteta considera prioritários para o futuro. Problema? Ceballos está no Arsenal a título de empréstimo do Real Madrid e o prolongamento da estadia do espanhol em Londres implica uma negociação complicada com os merengues.

“Ele joga com muita alegria, está a evoluir da maneira certa e tornou-se um jogador importante para nós. Estamos a falar com o clube [para ele ficar mais tempo], mas não está nas nossas mãos. Os clubes deverão comunicar e vamos ver o que podemos fazer”, disse Arteta nos últimos dias, depois de Ceballos ter marcado o golo decisivo contra o Sheffield United que valeu ao Arsenal a qualificação para as meias-finais da Taça de Inglaterra.

Depois, Guendouzi. O jovem médio francês, que nos últimos anos foi considerado parte do futuro do clube inglês, está a treinar à margem do grupo e deve mesmo deixar o Arsenal no final da temporada. Em causa, e de acordo com o The Athletic, está a atitude do médio durante o jogo com o Brighton — que os gunners perderam e onde Guendouzi agarrou um adversário pelo pescoço e fez comentários sobre a disparidade entre o próprio salário e o dos jogadores da equipa do sul de Inglaterra.

E por fim, David Luiz. O central brasileiro, alvo de grande parte das críticas feitas à equipa e toldado por uma maré de azar e infortúnio desde que chegou ao Arsenal, renovou contrato por mais um ano com o clube inglês, para surpresa de quase todos. Mas esta terça-feira, na habitual coluna que escreve para a BBC, a antiga internacional inglesa Karen Carney explicava como David Luiz pode ajudar a “moldar o futuro do Arsenal”. “Esta equipa é jovem e muito inexperiente. E o facto de ter existido um debate tão longo sobre quem deveria ser capitão mostra que existe uma falta de liderança dentro do grupo. Não estou a dizer que o David Luiz, que tem 33 anos, vai jogar todos os jogos. Mas tem experiência e já teve sucesso. Pode ter um impacto positivo dentro do balneário e pode ajudar os jogadores mais jovens”, escreveu Carney, em referência ao facto de ter sido Aubameyang, um jogador com apenas dois anos de Emirates, a ter assumido a braçadeira depois de o ex-capitão Granit Xhaka ter sido despromovido na sequência de um conflito com Unai Emery.

Assobios ao capitão, insultos de jogadores aos adeptos e lágrimas. O Arsenal está a ferro e fogo: dentro e fora de campo

Esta terça-feira, e assente em quatro vitórias consecutivas entre Premier League e Taça de Inglaterra que tornam esta uma das melhores fases da época do Arsenal, os gunners recebiam o Leicester no Emirates. Um Leicester que é ainda quarto classificado mas que tem perdido vantagem, principalmente, para o Manchester United de Bruno Fernandes graças à ausência de resultados positivos nos quatro primeiros jogos do reinício da competição. Sem Cédric no onze, que depois de ter sido titular contra o Wolves e ter marcado ao Norwich voltava a ceder o lugar a Bellerín, Arteta fazia Lacazette regressar às opções iniciais e deixava o jovem Nketiah no banco, apostando novamente em Bukayo Saka para o corredor direito.

O primeiro golo do jogo foi marcado ainda na primeira parte, por intermédio de Aubameyang: Ceballos desbloqueou com um passe vertical, Saka avançou e tirou um adversário da frente com um bom movimento de corpo e cruzou certeiro para Aubameyang, que rematou de primeira para bater Schmeichel (21′). Já na segunda parte, Arteta lançou Willock e Nketiah no jogo e acabou por ser este último, com uma entrada muito imprudente instantes depois de entrar, que viu cartão vermelho direto e deixou a equipa reduzida a dez unidades. Em superioridade numérica, o Leicester chegou ao empate por intermédio de Jamie Vardy (84′) e confirmou desde logo que vai manter o quarto lugar, ainda que o Manchester United possa ficar a apenas um ponto caso vença o Aston Villa.

Já o Arsenal falhou a quinta vitória consecutiva e não conseguiu igualar, ainda que provisoriamente, o Wolves de Nuno Espírito Santo na classificação, num jogo que ficou dividido entre as histórias de dois miúdos: Bukayo Saka, que aos 18 anos renovou contrato na semana passada, marcou na última jornada e assistiu nesta; e Eddie Nketiah, que deitou uma vitória a perder instantes depois de entrar em campo.