O complemento de estabilização, que vai ser pago este mês aos trabalhadores que estão em layoff, vai chegar a cerca de 470 mil pessoas, disse esta quarta-feira a ministra do Trabalho. Ana Mendes Godinho avançou ainda que a Segurança Social pagou até agora 992 milhões de euros em apoios excecionais de resposta à Covid-19, que abrangem neste momento 1,3 milhões de pessoas e 108 mil empresas.

Ana Mendes Godinho que está a ser ouvida na Comissão de Trabalho e Segurança Social precisou que este apoio, dirigido a quem tem um salário superior a 635 euros e até 1.270 euros, será pago no final de julho.

O complemento de estabilização, previsto no Programa de Estabilização Económica e Social, a quem esteve em layoff, será pago no final de julho e [tem] previsão de chegar a cerca de 470 mil trabalhadores”, precisou Ana Mendes Godinho.

Este complemento dirige-se às pessoas abrangidas quer pelo layoff simplificado quer pelo layoff normal (do Código do Trabalho).

Estes trabalhadores terão, assim, direito a receber, em julho, um complemento de estabilização que varia entre 100 euros e 351 euros e é dirigido a quem tem um salário superior a 635 euros e até 1.270 euros.

Fazendo um balanço dos três primeiros meses de medidas excecionais de resposta ao impacto da pandemia de Covid-19, a ministra reafirmou que o objetivo foi apoiar a manutenção do emprego e garantir apoio social às pessoas mais vulneráveis.

Ana Mendes Godinho precisou ainda o valor de apoios excecionais de resposta à Covid-19 já pago pela Segurança Social: “No total das medidas que temos e curso, temos até ao momento 992 milhões de euros pagos, abrangendo 1,3 milhões de pessoas e 108 mil empresas”, precisou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.