Cerca de 60 pessoas ficaram feridas, das quais 43 polícias, nos confrontos violentos entre agentes de segurança, que chegaram a usar gás lacrimogéneo, e manifestantes ocorridos na noite de terça-feira e na madrugada desta quarta-feira em Belgrado, após o anúncio de novas restrições devido à Covid-19.

O Presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, anunciou a reintrodução a partir de sexta-feira do recolher obrigatório, depois de o país ter registado na terça-feira o número mais elevado de mortos (13) num único dia devido à pandemia da Covid-19.

Vucic definiu a situação na capital, Belgrado, de “alarmante” e “crítica”, numa altura em que os hospitais da cidade começam a atingir o limite da capacidade (estão 4.000 pessoas internadas, disse o Presidente).

Os sérvios não receberam a decisão com indiferença. Segundo a agência AP,  milhares de manifestantes tentaram invadir o parlamento em Belgrado na noite de terça-feira, após o anúncio do presidente, entoando palavras de ordem como “ladrões”, “fora”, “não queremos isso”. E exigiram a renúncia de Vucic e cantaram cânticos nacionalistas como “Kosovo faz parte da Sérvia”.

O grupo de manifestantes que conseguiu invadir o parlamento foi retirado pela polícia, mobilizada na entrada do edifício, que também sofreu danos. Após novas tentativas em entrar no parlamento, a polícia começou a lançar gás lacrimogéneo para dispersar a multidão, ocorrendo ataques de grupos violentos contra a polícia com pedras, garrafas e até explosões.

Segundo a imprensa local, não se sabe quem convocou os manifestantes, que compareceram às centenas, mas que aumentaram para vários milhares com o decorrer das horas. A grande maioria não usava máscaras nem mantinha a distância física necessária para prevenir o contágio pelo novo coronavírus. Grupos violentos atearam fogo a vários veículos da polícia, derrubaram e atearam fogo a contentores e destruíram várias janelas e sinais de trânsito.

O diretor de polícia, Vladimir Rebic, declarou esta quarta-feira à emissora de televisão pública RTS que 23 pessoas foram detidas durante o protesto. Segundo Rebic, entre os detidos está o deputado ultranacionalista Srdjan Nogo, a quem acusou de organizar a invasão ao parlamento.

O Presidente sérvio disse que o recolher obrigatório poderia ser imposto entre sexta-feira e segunda-feira, especialmente em Belgrado, mas que poderia ainda ser estendido ao resto do país.

De qualquer forma, Vucic disse que essa decisão é de responsabilidade de um grupo de especialistas, mas que o número crescente de infeções está a tornar esse cenário mais provável. Além disso, a partir de esta quarta-feira, todas as reuniões com mais de cinco pessoas estão proibidas em espaços públicos fechados e abertos na capital, uma cidade de cerca de 1,7 milhões de habitantes.

Alguns vídeos da polícia a espancar manifestantes aparentemente pacíficos também podem ser vistos nas redes sociais.

Nesta quarta-feira, as forças de segurança implantaram um dispositivo reforçado em torno do parlamento e de outras instituições estatais.

As novas medidas restritivas ocorrem à luz do recente aumento nas infeções pelo novo coronavírus, às quais as autoridades já haviam respondido alguns dias atrás, reintroduzindo o uso obrigatório de máscaras em espaços públicos ou comerciais fechados.

Desde o início da pandemia, a Sérvia já registou mais 16 mil casos de infetados pelo novo coronavírus e ainda 330 mortes. A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 539 mil mortos e infetou mais de 11,69 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.